1. Exposição Gisela Waetge

    30/11
    Exposição Gisela Waetge
    Exposições:

    De 30 de novembro de 2016 a 13 de abril de 2017, o Instituto Ling apresenta exposição com cerca de 50 obras de Gisela Waetge, artista que faleceu precocemente em 2015. Com curadoria de Eduardo Veras e Luísa Kiefer – filha de Gisela – a mostra traz trabalhos representativos dos seus dois últimos anos de vida quando, em função de seu tratamento médico e das limitações físicas impostas pela doença, trocou as grandes escalas por obras de tamanho reduzido.

    No recorte escolhido pelos curadores, a exposição apresenta características que acompanharam a produção da artista em diferentes fases, e conduz o visitante a perceber a mudança de escala e a experimentação que a instigou até o final. Destacam-se os desenhos inéditos feitos com diferentes materiais – pequenos cadernos, blocos, folhas e papéis avulsos, grafites, lápis de cor, canetas nanquim e réguas – que evidenciam a sequencia do pensamento artístico de Gisela naquele momento, mais imediato, visível e com grande experimentação.

    Além dos desenhos, são apresentadas três pinturas, que representam os trabalhos de grandes dimensões e levam em conta o espaço expositivo do Instituto Ling. O processo de trabalho e criação da artista também está presente na exposição, em forma de estudos, materiais de trabalho e pesquisa, esboços e em um livro que Gisela desenhou durante o período em que esteve hospitalizada. Sua última exposição em vida foi na Galeria Gestual em 2013, quando lançou, pela série Documento Areal, o livro 105 Dias - Desenhos para os meus amigos, desenhos para viver melhor. Gisela faleceu em 6 de agosto de 2015, em Porto Alegre.

    A exposição tem patrocínio da Fitesa e financiamento do Governo RS | Sistema Pró-Cultura | Lei de Incentivo à Cultura.

    Saiba Mais
  2. Coco Chanel e Peggy Guggenheim – Mulheres Modernas em Veneza

    29/03
    Coco Chanel e Peggy Guggenheim – Mulheres Modernas em Veneza
    Cursos:

    No mês em que comemoramos o Dia Internacional da Mulher, Giselle Padoin aborda a modernidade de Coco Chanel e Peggy Guggenheim, duas mulheres revolucionárias que estiveram à frente de seu tempo na moda e nas artes. Em comum entre elas estava a paixão pela cidade de Veneza.

    Depois de visitar a exposição "La Donna Che Legge" e a Coleção Peggy Guggenheim na Itália, Giselle retorna ao Brasil trazendo consigo os materiais de sua pesquisa. Em uma palestra repleta de bom gosto, Giselle Padoin nos apresenta os universos dessas duas importantes personalidades que revolucionaram o mundo da moda e das artes com seus trabalhos.

    Investimento:


    R$ 100,00 para profissionais

     

    R$ 50,00 para estudantes*

     

    *para inscrição na modalidade "estudante", escreva para educativo@institutoling.org.br e solicite seu cupom de desconto. Na data do evento, apresente sua identificação estudantil.

    Saiba Mais
  3. Trump, Brexit e a nova rebelião das massas

    30/03
    Trump, Brexit e a nova rebelião das massas
    Cursos:

    Quando os eleitores do Reino Unido optaram pela saída da União Europeia, a reação da imprensa e do establishment político das principais democracias ocidentais foi quase unânime: a nação da Rainha estava às portas do “fascismo”. Menos de seis meses depois, foi a vez dos americanos: nos Estados Unidos, a mais pujante democracia do globo, um exótico milionário sagrou-se presidente daquele país que já teve George Washington, Abraham Lincoln e Franklin Roosevelt à frente do executivo. Estariam as duas mais importantes democracias liberais do mundo se entregando às mais atrasadas e autoritárias práticas? Estariam possuídas de fervor racista e odioso nacionalismo? Este curso pretende analisar estas e outras perplexidades que os fenômenos Brexit e Trump fizeram emergir em 2016 – perplexidades que vieram para nos acompanhar por um longo tempo.

    Saiba Mais
  4. Lançamento livro "Antígona, intriga e enigma", de Kathrin Rosenfield

    30/03
    Lançamento livro "Antígona, intriga e enigma", de Kathrin Rosenfield
    Programação Cultural:

    Por que Antígona se arriscou enterrando o irmão duas vezes, embora o primeiro enterro bastava para salvar a alma do defunto? Por que ela diz que não teria tomado o risco para enterrar o próprio filho nem o próprio marido? Por que ela trata a irmã e o tio como figuras menores, cujo estatuto não se compara com o dela? Por que ela nunca menciona Hemon como instância legal que pode e deve intervir pela noiva? Por que ela é tão altiva e, em certos momentos, até escandalosa? Todas essas questões encontram respostas no quebra-cabeça dos mito arcaicos, dos costumes e das leis da época clássica – realidades e circunstâncias que o leitor moderno desconhece ou não consegue prontamente mobilizar. Kathrin Rosenfield reconstruiu essa charada trágica: releu a peça bem conhecida com a ajuda do poeta alemão Hölderlin, e inspirou Lawrence a incorporar essa nova leitura na sua tradução – assim nasceu uma Antígona forte e veemente, uma heroína admirável embora um tanto assombrosa, que corresponde não apenas ao espírito clássico, mas também ao gosto atual pelo suspense refinado e as reviravoltas múltiplas. Eles nos iniciam nas peripécias trágicas que tornam a figura de Antígona uma personagem viva no imaginário ou na cena do século XXI, e o texto de Sófocles um poema redivivo pelo sopro da eternidade criativa.

    Sobre a autora: Kathrin Rosenfield é professora titular de filosofia e literatura na Ufrgs, autora de vários livros sobre literatura, arte e pensamento, ganhou o prêmio Mario de Andrade pelo ensaio Desenveredando Rosa - a obra de J.G.Rosa, escreve sobre autores tão diversos quanto Machado de Assis, Simões Lopes Neto e C.Lispector, T. S. Eliot, Charles Baudelaire e Sófocles. Fez a dramaturgia para a encenação de Antígone em Porto Alegre (com Luciano Alabarse e tradução de L.F. Pereira). Atualmente Kathrin traduz a obra da primeira fase do romancista austríaco Robert Musil. Lawrence Flores Pereia é professor adjunto de UFSM, poeta e tradutor. Ganhou recentemente o Prêmio Jabuti, pela tradução de Hamlet de Shakespeare (Penguin, 2016) e lançou Otelo em 2017. As próximas obras no prelo serão Rei Lear e Macbeth. Lawrence recebeu a medalha da cidade de Porto Alegre pelo mérito cultural, em março de 2017.

    Com a participação de Lawrence F. Pereira, que lerá passagens de "Antígona", livro traduzido por ele.

    ENTRADA FRANCA!

    Saiba Mais
  5. A tragédia grega, por Ésquilo

    04/04
    A tragédia grega, por Ésquilo
    Cursos:

    A tragédia grega foi o primeiro gênero teatral. Desde sua origem, o teatro desempenhou importante papel no desenvolvimento da sociedade, especialmente na Antiguidade. Ésquilo foi o primeiro dos grandes tragedistas gregos.  A única trilogia  que o tempo não mutilou foi a de Ésquilo, Oréstia. Além dessa tragédia, ao longo de três encontros serão examinadas outras duas: Os Persas e Prometeu Acorrentado. O curso reflete sobre a tragédia na sua completude, desde sua origem, o espetáculo, o trágico, o destino, o mito, a história e a situação humana. 

    Saiba Mais
  6. Elis, por Zuza

    05/04
    Elis, por Zuza
    Cursos:

    Poucos poderão abordar com tanta propriedade o impressionante talento musical de Elis Regina como seu colega e amigo Zuza Homem de Mello. Zuza foi o técnico de som do programa O Fino da Bossa, entrevistou Elis por diversas vezes para seu programa de rádio, escreveu textos sobre seus discos e shows, foi produtor artístico do seu espetáculo na série O Fino da Música, dos anos 70, participou da última entrevista da cantora na TV Cultura de S. Paulo e com ela cultivou uma amizade que durou até o final de sua vida. Nos últimos anos a vida e a música de Elis Regina foram revividas num musical de sucesso, num filme de sucesso e em duas biografias diferentes, uma delas prefaciada por Zuza. Neste curso de duas aulas, ilustrado com gravações, vídeos e trechos de entrevistas, Zuza disseca a dimensão de sua musicalidade e as trepidações existenciais da maior cantora da música brasileira.

    Saiba Mais
  7. Modernismo: arte e história

    05/04
    Modernismo: arte e história
    Cursos:

    A Primeira Guerra Mundial não somente assinalou o declínio econômico, político e militar da Europa, como também o fim de uma respeitável continuidade cultural. O cultivo do humanismo aristocrático e do individualismo liberal, depois da catástrofe, entrou em crise definitiva. A isso se somou, nas primeiras décadas do século XX, a emergência das ideologias seculares – a democracia, o comunismo e o nazi-fascismo - que vieram, por assim dizer, ocupar um espaço esvaziado de Deus. Deu-se então, no campo da estética, a maior ruptura com uma tradição de, no mínimo, cinco séculos de arte e literatura: a arte moderna fez do repúdio ao passado a sua pedra filosofal.

    Saiba Mais
  8. Lucas Thomazinho

    08/04
    Lucas Thomazinho
    Programação Cultural:

    Premiado com o 1º lugar no XVIII Santa Cecilia International Competition em Portugal, o jovem pianista paulistano Lucas Thomazinho vem desenvolvendo uma trajetória de destaque. Um dos mais importantes nomes da nova geração da música erudita brasileira, Lucas nasceu em 1995 e aos nove anos de idade ganhou o primeiro concurso, vencendo desde então mais de uma dezena de competições nacionais e internacionais, como o XI Concurso Nacional de Piano Magda Tagliaferro e o II Concurso Jovens Músicos – Música no Museu. Recentemente foi o vencedor do Prêmio de Melhor Intérprete de Música Brasileira no V Concurso Internacional BNDES de Piano. Em 2010 e 2011 foi solista da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais sob a regência de Marcos Arakaki. Lucas já se apresentou em recitais no MUBE – Museu Brasileiro de Escultura, no MASP – Museu de Arte de São Paulo, na Fundação Maria Luisa e Oscar Americano, no Centro Cultural São Paulo, na Sociedade Brasileira de Eubiose, no CMB - Centro de Música Brasileiro, no Conservatório de Tatuí, na programação Música do Museu (RJ) e em Campos do Jordão pela AME Campos. Atualmente cursa bacharelado na USP – Universidade de São Paulo, onde é orientado pelo pianista Eduardo Monteiro. Em 2017 será lançado seu primeiro CD pelo selo KNS Classical. No programa deste recital, obras de Czerny, Granados e Schumann.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Saiba Mais
  9. Culinária Thai

    11/04
    Culinária Thai
    Cursos:

    Um curso dedicado aos clássicos da Tailândia! Você vai aprender sobre os pratos mais emblemáticos e representativos da comida tailandesa. Desde o processo de fazer a própria pasta de curry e as bases da culinária Thai, até o manuseio das panelas wok, passando ainda pelo uso correto dos ingredientes e das técnicas dessa cozinha exótica e saborosa. Entre os pratos clássicos que você vai aprender ( e saborear...), o Chef Rafael Jacobi ensina os deliciosos Thai spring rolls, o bolinho de peixe com perfume de limoeiro, Red Paneang curry, Thai fried rice, Chicken cashew nuts e o clássico Pad Thai.

    Saiba Mais
  10. Valsa #6

    12/04
    Valsa #6
    Programação Cultural:

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Saiba Mais
  11. Almoço de domingo

    12/04
    Almoço de domingo
    Cursos:

    Domingo é dia de casa cheia e mesa farta. Neste curso rápido, com apenas dois encontros, o chef Marcelo Schambeck compartilha receitas generosas para o almoço da família ou para o encontro dos amigos. Sem mistérios, você vai aprender o preparo de pratos cheios de sabor, para a felicidade dos seus convidados!

    Saiba Mais
  12. Valsa #6

    13/04
    Valsa #6
    Programação Cultural:

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Saiba Mais
  13. Valsa #6

    18/04
    Valsa #6
    Programação Cultural:

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Saiba Mais
  14. Valsa #6

    19/04
    Valsa #6
    Programação Cultural:

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Saiba Mais
  15. Valsa #6

    20/04
    Valsa #6
    Programação Cultural:

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Saiba Mais
  16. Audições comentadas | Soul

    25/04
    Audições comentadas | Soul
    Cursos:

    Repetindo a experiência do último mês de janeiro, Paulo Moreira volta ao Instituto Ling para comandar, uma vez por mês, uma verdadeira aula de história através da música. A cada encontro, um novo gênero dá o tom da noite, dedicada especialmente à música e aos bons drinks. Acompanhe a agenda e escolha o seu gênero – Jazz, Soul, MPB e Rock and Blues. Venha participar dessa experiência: você vai ouvir boa música e grandes histórias, em um cenário de referência da arquitetura brasileira. 

    Nesta edição: Soul - Gravadora Motown

    Saiba Mais
  17. A filosofia de westworld

    25/04
    A filosofia de westworld
    Cursos:

    Num futuro não muito distante, num cenário ao estilo do Velho Oeste, cientistas e empresários colaboram no desenvolvimento de um parque, com cidades povoadas por autômatos inteligentes, indistinguíveis dos seres humanos. Esses autômatos comportam-se seguindo uma narrativa, sem saber que de fato são seres programados. Nesse mundo, pessoas pagam para viver uma fantasia em imersão completa, podendo agir sem se preocupar com as consequências: podem magoar e até mesmo “matar” seus anfitriões, incapazes, dada sua programação, de matar esses “recém-chegados”. Esse é o enredo que serve ao seriado WestWorld que, não sem razão, muitos atribuem a condição de uma das melhores séries já produzidas. A temática lida com as questões mais enigmáticos da nossa existência: o que nos torna autoconscientes? Seríamos de fato seres livres? Qual o sentido da vida? Por que nos interessamos tanto por jogos? Por que vinculamos nossa identidade a uma narrativa que julgamos o resultado de nosso livre arbítrio? Nesse pequeno curso, vamos tratar desses temas tendo como pano de fundo os episódios deste seriado fantástico.

    Saiba Mais
  18. Diego Schissi

    27/04
    Diego Schissi
    Programação Cultural:

    Pianista, arranjador e compositor, Diego Schissi é um dos nomes mais festejados da nova geração da música argentina. Nasceu em Buenos Aires em 1969. Começou a tocar e estudar nos Estados Unidos, retornando a Argentina somente no final dos anos 90. Em 1999, criou o Quinteto Urbano, agrupação de grande importância no movimento jazzístico argentino. Com o grupo, gravou três álbuns em cinco anos. Além do jazz, sua música tem transitado pelo folclore, tango e música de câmara. Tocou ao lado de músicos de diferentes tendências, como Facundo Bergalli, Lidia Borda, Susana Rinaldi, Anacrusa, Orquesta El Arranque, Diego Urcola, Raúl Carnota, Tito Puente, Gerry Mulligan, Joe Henderson, Chico O’Farrill, Stefano Bollani, Fareed Haque, Ná Ozzetti, Orquestra Sinfônica de Aarhus (Dinamarca), Orquestra Jazz Sinfônica (São Paulo), Orquestra Nacional Filisberto (Argentina), entre outros. Compôs música para cinema (Chúmbale), teatro (entre elas Cremona e El diario de Ana Frank) e para os mais diferentes instrumentos e formações. Em 2008, lançou seu primeiro álbum solo, Tren, que inclui composições próprias sugeridas, ditadas e influenciadas por textos de autores de fala hispana como Julio Cortázar, Juan Gelman, Macedonio Fernández, Felisberto Hernández e Santiago Dabove. Um álbum conceitual que permite variadas e ricas leituras. Lançou ainda Tongos (2010), Tipas y tipos (2012) e Hermanos (2014, juntamente com Aca Seca Trío) e Timba (2016). Recebeu diversos prêmios, entre eles Gardel, Konex de Platino 2005 e os Prêmios Nacionais 2013.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Saiba Mais
  19. Valsa #6

    02/05
    Valsa #6
    Programação Cultural:

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Saiba Mais
  20. Valsa #6

    03/05
    Valsa #6
    Programação Cultural:

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Saiba Mais