Mais Imagens

Filosofia do Vinho

Marco Azevedo e Mariane Mezzomo Pradella
Marco Azevedo é graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Mestrado e Doutorado em Filosofia pela mesma universidade. Médico do Hospital de Pronto Socorro (Porto Alegre/RS), é também professor na Pós-Graduação em Filosofia da Unisinos. Como médico, é especialista em Pediatria e em Medicina de Família e Comunidade. É autor do livro Bioética Fundamental (2002). Membro do GT de Ética da ANPOF. Associado à Hume Society e à SAP (Society for Applied Philosophy). Estágio Pós-Doutoral (Plumer Visiting Fellow) Saint Anne's College, Universidade de Oxford (Reino Unido) (2012-13).

Mariane Mezzomo Pradella é sommelier formada pela Federazione Italiana Sommelier Albergatori Ristoratori - FISAR. É também consultora de vinhos e possui graduação em Relações Públicas, pela Universidade de Caxias do Sul.
Informações do Curso

Details:

A filosofia do vinho é hoje uma das áreas mais curiosas e recentes da filosofia aplicada. Filósofos usam o exemplo do vinho em suas investigações sobre a natureza da percepção humana, sobre as peculiaridades de nossos juízos de gosto, e também sobre alguns dilemas ligados a ética. Nestes encontros, pretendemos aliar o prazer da degustação do vinho ao prazer da reflexão filosófica. Em cada evento degustaremos diferentes vinhos sob o pretexto de debater temas de filosofia onde a bebida de Baco será o tópico central.

Período: 29.09

Dia: quinta-feira

Horário: das 19h30 às 21h30

investimento:
R$ 160,00

Encontros

AFINAL, O QUE IMPORTA NA VIDA ALÉM DO PRAZER?

 

Segundo os filósofos hedonistas, o prazer é o fim último de toda atividade humana. No caso do vinho, isso parece implicar que tudo o que importa num vinho é o quanto ele é capaz de nos proporcionar de prazer ou satisfação. Críticos ao hedonismo, no entanto, mostraram que se nada mais fosse importante além do modo como nos sentimos, então por que dar valor à companhia e à amizade? Afinal, ninguém diria que o valor da amizade se reduz a um mero encontro prazeroso. E no caso do vinho, por que alguém se importaria em saber sobre a história da bebida, ou sobre as peculiaridades de sua tradição? Assim, é possível que também no caso do vinho o valor da bebida transcenda o prazer subjetivo de degustar o líquido que se acha contido no interior de uma garrafa.