Mais Imagens

Escola de Pais - Palestra 7: O mundo encantado da primeira infância

Diana e Mário Corso

Diana Lichtenstein Corso é Psicanalista Membro da APPOA (Associação Psicanalítica de Porto Alegre). Formada em psicologia pela UFRGS, trabalhou com crianças e no campo dos problemas de desenvolvimento infantil junto ao Centro Lydia Coriat de Porto Alegre e em várias outras instituições. Atualmente atende jovens e adultos. Desde 2001 é colunista do jornal Zero Hora e da Revista Vida Simples, além de participações em várias antologias e revistas. Publicou o livro Fadas no Divã: psicanálise nas histórias infantis, em 2005, e Psicanálise na Terra do Nunca: ensaios sobre a fantasia, em 2010, escritos em parceria com seu marido Mário Corso, ambos finalistas do Prêmio Jabuti. Em 2014, publicou pela Editora Arquipélago Tomo conta do mundo: conficções de uma psicanalista, composto de crônicas e ensaios, vencedor dos prêmios de Livro do Ano e Crônica de 2015 da AGES (Associação Gaúcha de Escritores) e do prêmio Açorianos na categoria Crônica de 2015.



Mário Corso é psicanalista, membro da APPOA (Associação Psicanalítica de Porto Alegre). Formado em psicologia pela UFRGS, trabalha com adolescentes e adultos. Em 2002 lançou Monstruário – Inventário de Entidades Imaginárias e de Mitos Brasileiros, Menção Honrosa do prêmio Jabuti. Publicou o livro Fadas no Divã: psicanálise nas histórias infantis, em 2005, e Psicanálise na Terra do Nunca: ensaios sobre a fantasia, em 2010, finalistas do Prêmio Jabuti, escritos em parceria com sua esposa Diana Corso. Em 2014 publicou seu primeiro livro infantil A história mais triste do mundo, vencedor do Prêmio Açorianos de Literatura Infantil de 2015. Publica artigos, ensaios e crônicas em Zero Hora e em diversos meios de comunicação.





Informações do Curso

Details:

“Escola de Pais” é um ciclo de encontros, com palestrantes referência em infância, que traz conceitos, dicas e debates com o objetivo de proporcionar a oportunidade de sermos pais mais capacitados a entender as necessidades nossas e dos nossos filhos, com um olhar amplo e atual do mundo em que vivemos.


Investimos vários anos na nossa formação profissional, mas quanto tempo dedicamos a nossa formação como pais? Quando tivemos tempo para refletir com especialistas sobre a forma como estamos educando os nossos filhos? Pensando nisso, criamos a Escola de Pais, um espaço para aprendermos, questionarmos e refletirmos sobre o nosso papel de pais com a ajuda dos melhores pensadores de infância do nosso país.Entre maio e dezembro, teremos 8 palestras, uma por mês, com os principais temas da primeira infância.


A programação segue até dezembro:


04.12 - O valor da educação familiar com Rosely Sayão


Curadoria:


Alua Kopstein é mãe de David e Leon. Administradora pela ESPM, com MBA Internacional pela UFRGS. Foi Chefe do Instituto Gerdau por 12 anos com atuação internacional em 4 continentes. É diretora do Bora.aí e do Clubinho de Ofertas – Porto Alegre, ambas plataformas digitais dedicadas a divulgar e facilitar o acesso das famílias a programas com os filhos. Alua é voluntária na ONG Parceiros Voluntários.


Marina Sirotsky é mãe de Felipe e atualmente grávida de outro menino. Psicóloga pela PUCRS, com MBA em gestão e estratégia no IE Business School (Espanha). É diretora da Maromar Investimentos, conselheira da Fundação Mauricio Sirotsky Sobrinho e fundadora do grupo Voluntárias pela Vida.


Apoio: Escola Despertar e Censi Empreendimentos 

Período: 13.11

Dia: Segunda

Horário: das 18h30 às 20h30

investimento:
R$ 160,00

Encontros

Quando contamos uma história aos nossos filhos, eles prestam atenção na trama, mas também escutam nossas ênfases, nossos silêncios, os momentos em que paramos em busca de palavras ou de um pedaço da história. Eles escolhem suas narrativas prediletas e também a versão que mais lhes interessa. Em uma família, forma-se uma pequena antologia de tramas e de jeitos de serem contadas. Entre as heranças simbólicas que passam de pais para filhos, certamente é de inestimável valor a importância dada à ficção. Afinal, uma vida se faz de histórias – a que vivemos, as que contamos e as que nos contam. Pretendemos discutir sobre as histórias clássicas que foram vencendo as barreiras do tempo, ligando gerações, assim como sobre as mutações que princesas, heróis e criaturas mágicas foram sofrendo. Gostaríamos, acima de tudo, de defender a importância de inventar narrativas, de sonhar alto deitados ao lado de nossos pequenos, falando sobre coisas inexistentes, encantadas, absurdas, engraçadas, assustadoras, principalmente sobre o que não sabemos estar dizendo! As crianças não duvidam de que ali está acontecendo algo fundamental, resta-nos entender isso tão bem quanto elas.