Programação Cultural

  1. Lançamento livro "Antígona, intriga e enigma", de Kathrin Rosenfield

    30/03
    Lançamento livro "Antígona, intriga e enigma", de Kathrin Rosenfield

    Por que Antígona se arriscou enterrando o irmão duas vezes, embora o primeiro enterro bastava para salvar a alma do defunto? Por que ela diz que não teria tomado o risco para enterrar o próprio filho nem o próprio marido? Por que ela trata a irmã e o tio como figuras menores, cujo estatuto não se compara com o dela? Por que ela nunca menciona Hemon como instância legal que pode e deve intervir pela noiva? Por que ela é tão altiva e, em certos momentos, até escandalosa? Todas essas questões encontram respostas no quebra-cabeça dos mito arcaicos, dos costumes e das leis da época clássica – realidades e circunstâncias que o leitor moderno desconhece ou não consegue prontamente mobilizar. Kathrin Rosenfield reconstruiu essa charada trágica: releu a peça bem conhecida com a ajuda do poeta alemão Hölderlin, e inspirou Lawrence a incorporar essa nova leitura na sua tradução – assim nasceu uma Antígona forte e veemente, uma heroína admirável embora um tanto assombrosa, que corresponde não apenas ao espírito clássico, mas também ao gosto atual pelo suspense refinado e as reviravoltas múltiplas. Eles nos iniciam nas peripécias trágicas que tornam a figura de Antígona uma personagem viva no imaginário ou na cena do século XXI, e o texto de Sófocles um poema redivivo pelo sopro da eternidade criativa.

    Sobre a autora: Kathrin Rosenfield é professora titular de filosofia e literatura na Ufrgs, autora de vários livros sobre literatura, arte e pensamento, ganhou o prêmio Mario de Andrade pelo ensaio Desenveredando Rosa - a obra de J.G.Rosa, escreve sobre autores tão diversos quanto Machado de Assis, Simões Lopes Neto e C.Lispector, T. S. Eliot, Charles Baudelaire e Sófocles. Fez a dramaturgia para a encenação de Antígone em Porto Alegre (com Luciano Alabarse e tradução de L.F. Pereira). Atualmente Kathrin traduz a obra da primeira fase do romancista austríaco Robert Musil. Lawrence Flores Pereia é professor adjunto de UFSM, poeta e tradutor. Ganhou recentemente o Prêmio Jabuti, pela tradução de Hamlet de Shakespeare (Penguin, 2016) e lançou Otelo em 2017. As próximas obras no prelo serão Rei Lear e Macbeth. Lawrence recebeu a medalha da cidade de Porto Alegre pelo mérito cultural, em março de 2017.

    Com a participação de Lawrence F. Pereira, que lerá passagens de "Antígona", livro traduzido por ele.

    ENTRADA FRANCA!

    Data de Início: 30/03

    Duração: 1h30

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 19h30

    Valor: R$ 0,00

  2. Lucas Thomazinho

    08/04
    Lucas Thomazinho

    Premiado com o 1º lugar no XVIII Santa Cecilia International Competition em Portugal, o jovem pianista paulistano Lucas Thomazinho vem desenvolvendo uma trajetória de destaque. Um dos mais importantes nomes da nova geração da música erudita brasileira, Lucas nasceu em 1995 e aos nove anos de idade ganhou o primeiro concurso, vencendo desde então mais de uma dezena de competições nacionais e internacionais, como o XI Concurso Nacional de Piano Magda Tagliaferro e o II Concurso Jovens Músicos – Música no Museu. Recentemente foi o vencedor do Prêmio de Melhor Intérprete de Música Brasileira no V Concurso Internacional BNDES de Piano. Em 2010 e 2011 foi solista da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais sob a regência de Marcos Arakaki. Lucas já se apresentou em recitais no MUBE – Museu Brasileiro de Escultura, no MASP – Museu de Arte de São Paulo, na Fundação Maria Luisa e Oscar Americano, no Centro Cultural São Paulo, na Sociedade Brasileira de Eubiose, no CMB - Centro de Música Brasileiro, no Conservatório de Tatuí, na programação Música do Museu (RJ) e em Campos do Jordão pela AME Campos. Atualmente cursa bacharelado na USP – Universidade de São Paulo, onde é orientado pelo pianista Eduardo Monteiro. Em 2017 será lançado seu primeiro CD pelo selo KNS Classical. No programa deste recital, obras de Czerny, Granados e Schumann.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 08/04

    Duração: 60 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 17h

    Valor: R$ 40,00

  3. Valsa #6

    12/04
    Valsa #6

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 12/04

    Duração: 1h30

    Dias: Quarta-feira

    Hórario: 20h30

    Valor: R$ 40,00

  4. Valsa #6

    13/04
    Valsa #6

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 13/04

    Duração: 1h30

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h30

    Valor: R$ 40,00

  5. Valsa #6

    18/04
    Valsa #6

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 18/04

    Duração: 1h30

    Dias: Terça-feira

    Hórario: 20h30

    Valor: R$ 40,00

  6. Valsa #6

    19/04
    Valsa #6

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 19/04

    Duração: 1h30

    Dias: Quarta-feira

    Hórario: 20h30

    Valor: R$ 40,00

  7. Valsa #6

    20/04
    Valsa #6

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 20/04

    Duração: 1h30

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h30

    Valor: R$ 40,00

  8. Diego Schissi

    27/04
    Diego Schissi

    Pianista, arranjador e compositor, Diego Schissi é um dos nomes mais festejados da nova geração da música argentina. Nasceu em Buenos Aires em 1969. Começou a tocar e estudar nos Estados Unidos, retornando a Argentina somente no final dos anos 90. Em 1999, criou o Quinteto Urbano, agrupação de grande importância no movimento jazzístico argentino. Com o grupo, gravou três álbuns em cinco anos. Além do jazz, sua música tem transitado pelo folclore, tango e música de câmara. Tocou ao lado de músicos de diferentes tendências, como Facundo Bergalli, Lidia Borda, Susana Rinaldi, Anacrusa, Orquesta El Arranque, Diego Urcola, Raúl Carnota, Tito Puente, Gerry Mulligan, Joe Henderson, Chico O’Farrill, Stefano Bollani, Fareed Haque, Ná Ozzetti, Orquestra Sinfônica de Aarhus (Dinamarca), Orquestra Jazz Sinfônica (São Paulo), Orquestra Nacional Filisberto (Argentina), entre outros. Compôs música para cinema (Chúmbale), teatro (entre elas Cremona e El diario de Ana Frank) e para os mais diferentes instrumentos e formações. Em 2008, lançou seu primeiro álbum solo, Tren, que inclui composições próprias sugeridas, ditadas e influenciadas por textos de autores de fala hispana como Julio Cortázar, Juan Gelman, Macedonio Fernández, Felisberto Hernández e Santiago Dabove. Um álbum conceitual que permite variadas e ricas leituras. Lançou ainda Tongos (2010), Tipas y tipos (2012) e Hermanos (2014, juntamente com Aca Seca Trío) e Timba (2016). Recebeu diversos prêmios, entre eles Gardel, Konex de Platino 2005 e os Prêmios Nacionais 2013.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 27/04

    Duração: 60 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  9. Valsa #6

    02/05
    Valsa #6

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 02/05

    Duração: 1h30

    Dias: Terça-feira

    Hórario: 20h30

    Valor: R$ 40,00

  10. Valsa #6

    03/05
    Valsa #6

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 03/05

    Duração: 1h30

    Dias: Quarta-feira

    Hórario: 20h30

    Valor: R$ 40,00