Programação Cultural

  1. Yassir Chediak | 22.06 - 20h

    22/06
    Yassir Chediak | 22.06 - 20h

    Sem estoque

    Violeiro, cantor, apresentador de televisão, produtor e ator brasileiro, Yassir é filho do cineasta Braz Chediak. Como autor de trilhas sonoras e ator, participou de filmes e novelas da Rede Globo e teve sua versão de “Anunciação”, de Alceu Valença, na novela Paraíso, suas composições “Estradas” no seriado Carga Pesada, “Brasil Caminhoneiro” no programa de mesmo nome exibido no SBT e “Aroma que inebria” na novela Morde e Assopra, também da Rede Globo. Apresenta o Programa Brasil Regional, na Rádio Roquete Pinto (RJ), Programa Brasil Caminhoneiro, no SBT e projetos especiais no Canal Rural. Está lançando seu quarto cd, Mundo Afora, com participação de Sérgio Reis e prepara-se para sua primeira turnê nos EUA, neste ano de 2017. Com mais de vinte anos de uma sólida carreira, Chediak se destaca no gênero e é um dos responsáveis pela preservação da viola de dez cordas. Sérgio Reis, Almir Sater, Paula Fernandes, Jorge Mautner e Jaime Alem são alguns nomes que participaram de seus últimos trabalhos. No show, resgata clássicos do gênero e apresenta seu repertório autoral e inédito, mesclando harmonia, melodia e virtuosismo.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 22/06

    Duração: 60 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  2. Closer [o amor é suficiente?] | 23.06 - 20h

    23/06
    Closer [o amor é suficiente?] | 23.06 - 20h

    Um espetáculo que busca trazer a luz as diversas nuances da forma humana de se relacionar. O que há entre dois corpos, quando o sentimento de posse se encontra com a traição? Entre o erotismo e o aconchego; o ódio e o prazer; o alívio e a ruptura, está a efemeridade do sentimento. Alice é atropelada e conhece Dan. Anna e Larry se apaixonam. Dan e Anna se encontram. Larry e Alice se vingam. Larry e Anna terminam. Dan e Alice retomam a relação. Entre términos, separações, traições, mágoas, quatro indivíduos desajustados se relacionam em uma complexa rede afetiva.

    Nessa encenação bastante intimista, os espectadores são convidados a seguir os personagens por um espaço cultural contemporâneo e participam como testemunhas de encontros potentes que evocam o erotismo, a necessidade do outro, aquecendo até o peito daquele mais cético, despertando a dor intrínseca de ser amado, e, sendo assim, de ser humano. 

    Closer, de Patrick Marber, é um dos melhores textos acerca da relação do amor e da fidelidade na contemporaneidade. Em 2004 foi adaptado para o cinema com direção de Mike Nichols. No elenco Júlia Roberts, Jude Law, Natalie Portman e Clive Owen.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 23/06

    Duração: 70 minutos

    Dias: Sexta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  3. Closer [o amor é suficiente?] | 24.06 - 19h

    24/06
    Closer [o amor é suficiente?] | 24.06 - 19h

    Um espetáculo que busca trazer a luz as diversas nuances da forma humana de se relacionar. O que há entre dois corpos, quando o sentimento de posse se encontra com a traição? Entre o erotismo e o aconchego; o ódio e o prazer; o alívio e a ruptura, está a efemeridade do sentimento. Alice é atropelada e conhece Dan. Anna e Larry se apaixonam. Dan e Anna se encontram. Larry e Alice se vingam. Larry e Anna terminam. Dan e Alice retomam a relação. Entre términos, separações, traições, mágoas, quatro indivíduos desajustados se relacionam em uma complexa rede afetiva.

    Nessa encenação bastante intimista, os espectadores são convidados a seguir os personagens por um espaço cultural contemporâneo e participam como testemunhas de encontros potentes que evocam o erotismo, a necessidade do outro, aquecendo até o peito daquele mais cético, despertando a dor intrínseca de ser amado, e, sendo assim, de ser humano. 

    Closer, de Patrick Marber, é um dos melhores textos acerca da relação do amor e da fidelidade na contemporaneidade. Em 2004 foi adaptado para o cinema com direção de Mike Nichols. No elenco Júlia Roberts, Jude Law, Natalie Portman e Clive Owen.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 24/06

    Duração: 70 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 40,00

  4. Closer [o amor é suficiente?] | 30.06 - 20h

    30/06
    Closer [o amor é suficiente?] | 30.06 - 20h

    Um espetáculo que busca trazer a luz as diversas nuances da forma humana de se relacionar. O que há entre dois corpos, quando o sentimento de posse se encontra com a traição? Entre o erotismo e o aconchego; o ódio e o prazer; o alívio e a ruptura, está a efemeridade do sentimento. Alice é atropelada e conhece Dan. Anna e Larry se apaixonam. Dan e Anna se encontram. Larry e Alice se vingam. Larry e Anna terminam. Dan e Alice retomam a relação. Entre términos, separações, traições, mágoas, quatro indivíduos desajustados se relacionam em uma complexa rede afetiva.

    Nessa encenação bastante intimista, os espectadores são convidados a seguir os personagens por um espaço cultural contemporâneo e participam como testemunhas de encontros potentes que evocam o erotismo, a necessidade do outro, aquecendo até o peito daquele mais cético, despertando a dor intrínseca de ser amado, e, sendo assim, de ser humano. 

    Closer, de Patrick Marber, é um dos melhores textos acerca da relação do amor e da fidelidade na contemporaneidade. Em 2004 foi adaptado para o cinema com direção de Mike Nichols. No elenco Júlia Roberts, Jude Law, Natalie Portman e Clive Owen.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 30/06

    Duração: 70 minutos

    Dias: Sexta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  5. Closer [o amor é suficiente?] | 01.07 - 19h

    01/07
    Closer [o amor é suficiente?] | 01.07 - 19h

    Um espetáculo que busca trazer a luz as diversas nuances da forma humana de se relacionar. O que há entre dois corpos, quando o sentimento de posse se encontra com a traição? Entre o erotismo e o aconchego; o ódio e o prazer; o alívio e a ruptura, está a efemeridade do sentimento. Alice é atropelada e conhece Dan. Anna e Larry se apaixonam. Dan e Anna se encontram. Larry e Alice se vingam. Larry e Anna terminam. Dan e Alice retomam a relação. Entre términos, separações, traições, mágoas, quatro indivíduos desajustados se relacionam em uma complexa rede afetiva.

    Nessa encenação bastante intimista, os espectadores são convidados a seguir os personagens por um espaço cultural contemporâneo e participam como testemunhas de encontros potentes que evocam o erotismo, a necessidade do outro, aquecendo até o peito daquele mais cético, despertando a dor intrínseca de ser amado, e, sendo assim, de ser humano. 

    Closer, de Patrick Marber, é um dos melhores textos acerca da relação do amor e da fidelidade na contemporaneidade. Em 2004 foi adaptado para o cinema com direção de Mike Nichols. No elenco Júlia Roberts, Jude Law, Natalie Portman e Clive Owen.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 01/07

    Duração: 70 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 40,00

  6. André Geraissati | 06.07 - 20h

    06/07
    André Geraissati | 06.07 - 20h

    A trajetória de André Geraissati é uma das mais emblemáticas da música instrumental brasileira. Embora envolvido com música desde os Anos 60, Geraissati surgiu para o grande público no final dos Anos 70, com o Grupo D’Alma. De 79 a 85, fez parte desse trio de violões, que tocando repertório próprio, com fortes características brasileiras, encantou as audiências do mundo todo. Com o Grupo D’Alma, André tocou nos principais festivais internacionais de jazz, estabelecendo-se com um dos grandes talentos do violão brasileiro. Entre 82 e 85, o músico alternou suas atividades no Grupo D’Alma, com apresentações ao lado de Egberto Gismonti. A alquimia musical da dupla era perfeita e André participou das turnês "Fantasia" e "Cidade Coração", dividindo o palco com Gismonti. Essa parceria foi extremamente produtiva. "Entre Duas Palavras", seu primeiro disco solo, lançado em 82, com a participação de Egberto Gismonti é a prova disso. A partir de 85, André se concentrou em seu trabalho solo, lançando discos como "Insight", "Solo", "DADGAD", "7989", “Brazilian Image”, “Next” e “Canto das Águas”. Participou do Festival de Jazz de Montreux e do Curitiba Jazz Meeting. Idealizou e produziu o projeto Tom Brasil/Banco do Brasil Musical. Foram centenas de concertos e apresentações por teatros, universidades, auditórios e praças públicas com as melhores expressões da música instrumental brasileira, unindo sem exceção e preconceito "todos" os instrumentistas do Brasil. Talvez esse seja o mais importante registro de música instrumental já feito na historia recente do Brasil. Tem passagem por diversos países, como Emirados Árabes, Qatar, Egito, Jordânia, Síria, Líbano, República Tcheca, Eslovaquia, Dinamarca, Suécia, Noruega, Bélgica, Holanda, Alemanha, Finlândia e Rússia, entre outros.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 06/07

    Duração: 60 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  7. Gil do Carmo | 08.07 - 18h

    08/07
    Gil do Carmo | 08.07 - 18h

    Filho e neto de fadistas, Gil cresceu no seio de uma família onde a música é um selo de identidade. Seguiu o seu próprio caminho conjugando tradição com abordagens menos convencionais e criando um sentido estético singular e pessoal. À herança histórica familiar une-se a aprendizagem recebida nos Estados Unidos, onde foi viver com 19 anos, continuando assim a sua formação em Los Angeles (Musicians Institute) e em Boston (Berklee College of Music).

    Em 1997, lança “Mil Histórias”, com músicas como “Eléctrico em Lisboa”, “Tentação Demais” e “Tu Morres Todos os Dias” (inédito de Zeca Afonso e Ivan Lins) deste primeiro disco e que contou com a colaboração de Miguel Sá Pessoa nos arranjos e co-produção. Um ano depois lança “Nus Teus Olhos” com a participação de Júlio Pereira, Tito Paris, Laurent Filipe, com canções como “Abre a Janela da Dor”, “Encontrado” e “B’leza”, conquistando assim o seu primeiro Disco de Prata, em Portugal.

    Seguiu-se uma longa pausa nas edições discográficas, durante a qual aproveitou para se dedicar ao seu bar “Speakeasy” e compor para artistas de renome como Mariza, Donna Maria ou Carlos do Carmo.

    O tempo em que esteve ausente dos lançamentos, serviu também para poder ponderar o rumo que podia dar à sua música. Essa ausência de nove anos teve um ponto final no início de 2008 com “Sisal”. Neste terceiro disco é marcante a miscigenação e fusão da multiculturalidade que abraça países de referência como Brasil, Cabo Verde e Angola. O Atlântico e a Língua Portuguesa são base de partida para o enquadramento lusófono em que Gil do Carmo faz questão de compor. “Sisal” teve a participação de Bernardo Sassetti, Fernando Araújo, Bernardo Couto, Pedro Jóia, Sara Tavares, Rão Kyao, Vicky e a Orquestra Sinfonietta de Lisboa, em temas como “Madres de Goa” e “Carta Quente”, bem como “E Se Esta Noite”, “Na Maré de Ti” e “Secreto Segredo” que fizeram parte de trilhas sonoras de novelas da TVI.

    Em 2016, Gil do Carmo volta a focar-se na música cem por cento, com um disco que é quase uma impressão digital do seu autor. “A Uma Voz” tem as janelas abertas, uma vista desafogada sobre Lisboa e um claro olhar posto no mundo. Inteiramente escrito por ele, este é o seu quarto trabalho, ao lado de músicos que o ajudaram a encontrar um espaço próprio, como Yami, António Serrano, João Frade e José Manuel Neto.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 08/07

    Duração: 60 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 18h

    Valor: R$ 40,00

  8. 19º Encontro de Violoncelos do RS - Palestra Neurociências e performance musical | 10.07 - 18h30

    10/07
    19º Encontro de Violoncelos do RS - Palestra Neurociências e performance musical | 10.07 - 18h30

    A palestra “Neurociências e Performance Musical”, que integra a programação do 19º Encontro de Violoncelos do RS, apresenta e fomenta a discussão acerca das contribuições dos conhecimentos neurocientíficos na construção da Performance Musical, com especial atenção ao cérebro dos violoncelistas e instrumentistas de cordas. Busca-se contemplar a complexidade da manifestação musical, articulando saberes e práticas interdisciplinares intrínsecos ao desenvolvimento cognitivo e o contexto sociocultural. 

    Conhecimentos neurocientíficos têm muito a enriquecer a pedagogia da Performance. Expressar-se através da música inclui a capacidade de poder interpretar ou criar a sua versão para uma obra, imprimindo um caráter pessoal e transmitindo algo de si mesmo ao ouvinte. Da produção à recepção, existe um longo caminho, cujo objetivo principal, conscientemente ou não, é a aquisição de técnica em busca da expressividade do discurso musical, elemento refletido no fenômeno performático. É sabido que a prática deliberada é parte fundamental na concepção da performance, porém, o que se defende, é que essa prática evite a repetição mecanicista e inexpressiva, tão comuns no estudo do instrumento e da voz. A plasticidade cerebral reage a estímulos de diversas naturezas, sejam eles motores, sejam puramente mentais, no que o fazer musical possui extraordinário impacto.

    Luciane Cuervo é Bacharel em Música, Mestre em Educação e Doutora em Informática na Educação pela UFRGS. Docente no Departamento de Música do Instituto de Artes da UFRGS.

    A entrada é franca e as senhas serão distribuídas, por ordem de chegada, 30 minutos antes do início da palestra.

    Data de Início: 10/07

    Duração: 90 minutos

    Dias: Segunda-feira

    Hórario: 18h30

    Valor: R$ 0,00

  9. 19º Encontro de Violoncelos do RS - O coaching aplicado ao desenvolvimento da carreira para músicos | 11.07 - 18h30

    11/07
    19º Encontro de Violoncelos do RS - O coaching aplicado ao desenvolvimento da carreira para músicos | 11.07 - 18h30

    A palestra com o coach de carreira e músico violinista André Meneghello, que integra a programação do 19º Encontro de Violoncelos do RS, irá abordar a questão da orientação vocacional e do desenvolvimento de carreira para músicos e estudantes de música. Através de uma reflexão sobre questões como: habilidades, talentos, inteligências múltiplas e valores serão tratados aspectos do autoconhecimento que levam a uma maior clareza para o adequado planejamento e ação para o desenvolvimento da carreira musical, como enfoque na metodologia do coaching.

    André Meneghello Coach Vocacional e Mastercoach de carreira pelo Instituto MS de Coaching de Carreira, coautor do livro: Construa o seu caminho! Você está construindo o seu? pela Editora Conquista. Bacharel em violino pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro- UNIRIO, sob orientação do professor Paulo Bosísio. Participou de diversas orquestras como, Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Orquestra Studio Spiller em Buenos Aires, Orquestra de Câmara da Ulbra e Orquestra de Câmera do Theatro São Pedro de Porto Alegre. Foi professor de diversos Festivais de música, entre eles, Festival Internacional de Música Colonial de Juiz de Fora (MG), Festival Música nas Montanhas em Poços de Caldas (MG), Festival Internacional SESC de Música, em Pelotas e Festival de Música de Caxias do Sul. Como professor atua também em projetos sociais e culturais ligados a Universidade de Caxias do Sul e a Unisinos. Atualmente é Spalla da Orquestra Sinfônica da Universidade de Caxias do Sul e primeiro viola da Orquestra Unisinos Anchieta, coordenador do Projeto Orquestra Jovem do Recreio da Juventude-UCS e atua como Coach com foco na orientação vocacional e direcionamento de carreira. 

    A entrada é franca e as senhas serão distribuídas, por ordem de chegada, 30 minutos antes do início da palestra.

    Data de Início: 11/07

    Duração: 60 minutos

    Dias: Terça-feira

    Hórario: 18h30

    Valor: R$ 0,00

  10. Antonio Del Claro | 15.07 - 17h

    15/07
    Antonio Del Claro | 15.07 - 17h

    Nascido em São Paulo, aos sete anos iniciou os estudos com seu pai, também violoncelista. Estudou posteriormente com alguns dos principais nomes do instrumento, na Itália, França e Suiça. Classificou-se em 1o.lugar no Concurso de Verão Musical de Taormina (Itália). Foi o mais jovem integrante da Orquestra de Câmara "Pró-Música" de São Paulo e da Orquestra Filarmônica de São Paulo, tendo sido posteriormente primeiro violoncelista da Orquestra do Teatro Municipal de São Paulo e da Orquestra da USP. Na Suíça fez parte do "Trio de Genebra" ,tendo realizado gravações para a Radio Suisse Romande, e se apresentado na França, Suíça e Itália. Como integrante do Artistrio (Brasil) realizou tournée pela Alemanha, onde gravou o CD com obras de Villa Lobos. Fez parte do Trio Americas, fazendo tournées pelos Estados Unidos e Brasil. Como solista atua junto às maiores orquestras brasileiras, nos importantes centros culturais do país. Como professor, fez parte do corpo docente da UNICAMP , foi professor convidado da Fundação Carlos Gomes de Belém - Pa , ministrando aulas a bacharelandos em violoncelo e monitores . Realiza seminários de violoncelo e Master-Classes em diversas cidades do Brasil e EUA, participando também dos mais importantes festivais de música tais como Festival Internacional de Curitiba, Festivais de Inverno de Campos do Jordão, Festival de Música de Londrina , Festival de Música de Juiz de Fora, Festival Música nas Montanhas de Poços de Caldas e Femusc. É também criador, diretor artístico e maestro da Orquestra de Cordas do Festival Internacional de Música do Pará, da Fundação Carlos Gomes - Belém/PA. Obteve da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) o prêmio de Melhor Solista Jovem de 67-72 , Melhor Solista de 92 e Melhor Solista Instrumentista – Premio Carlos Gomes de 1999. Sua grande preocupação em divulgar a música brasileira o fez gravar vários discos de compositores tais como Camargo Guarnieri, Henrique Oswald, Villa Lobos, Radamés Gnatali e Guerra Peixe, tendo também apresentado em 1a. audição mundial obras para violoncelo que lhe foram dedicadas pelos compositores: Camargo Guarnieri, Osvaldo Lacerda, Claudio Santoro, Almeida Prado e Sérgio Vasconcelos Corrêa. Neste recital solo, que faz parte do XIX Encontro de Violoncelos do RS, Antonio apresenta um leque dos diversos compositores para violoncelo, alguns em primeira audição e outros que dedicaram obras ao intérprete.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 15/07

    Duração: 60 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 17h

    Valor: R$ 40,00