Programação Cultural

  1. Quando vi minha vida não existia | 26.08.2017 - 19h

    Quando vi minha vida não existia | 26.08.2017 - 19h

    Sem estoque

    Três histórias curtas interligadas que pretendem questionar o que é real e o que é fantasia em nossos problemas. Em Alguém como você, uma mulher planeja uma vingança em seus mínimos detalhes e direciona todo o seu rancor a um marido indiferente aos seus sentimentos. Em Diagnóstico, um homem oprimido por uma culpa que não é sua, revisita a infância e abre a alma a fim de não perdê-la. Em A espera, há o encontro desses dois seres e suas angustias e questionamentos na sala de espera de um psicanalista.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 26/08

    Duração: 55 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 40,00

  2. Quando vi minha vida não existia | 25.08.2017 - 20h

    Quando vi minha vida não existia | 25.08.2017 - 20h

    Sem estoque

    Três histórias curtas interligadas que pretendem questionar o que é real e o que é fantasia em nossos problemas. Em Alguém como você, uma mulher planeja uma vingança em seus mínimos detalhes e direciona todo o seu rancor a um marido indiferente aos seus sentimentos. Em Diagnóstico, um homem oprimido por uma culpa que não é sua, revisita a infância e abre a alma a fim de não perdê-la. Em A espera, há o encontro desses dois seres e suas angustias e questionamentos na sala de espera de um psicanalista.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 25/08

    Duração: 55 minutos

    Dias: Sexta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  3. Quando vi minha vida não existia | 24.08.2017 - 20h

    Quando vi minha vida não existia | 24.08.2017 - 20h

    Sem estoque

    Três histórias curtas interligadas que pretendem questionar o que é real e o que é fantasia em nossos problemas. Em Alguém como você, uma mulher planeja uma vingança em seus mínimos detalhes e direciona todo o seu rancor a um marido indiferente aos seus sentimentos. Em Diagnóstico, um homem oprimido por uma culpa que não é sua, revisita a infância e abre a alma a fim de não perdê-la. Em A espera, há o encontro desses dois seres e suas angustias e questionamentos na sala de espera de um psicanalista.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 24/08

    Duração: 55 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  4. Estreia do filme "Entardecer", de Muriel Paraboni | 15.08 - 19h30

    Estreia do filme "Entardecer", de Muriel Paraboni | 15.08 - 19h30

    Sem estoque

    Estreia no Brasil do filme de curta-metragem "Entardecer", dirigido por Muriel Paraboni. Selecionado e premiado em diversos festivais internacionais, o filme será apresentado em sessão especial para equipe, convidados e público em geral. Está programada também uma performance musical de Carina Levitan, que assina a trilha do filme, e um bate-papo com membros da equipe.

    O evento terá a presença de Muriel Paraboni (diretor), Fábio Del Re e Carlos Stein (diretores de fotografia), Francisco Goulart Jahn (ator), Carina Levitan (sound design) e Luis Otávio Feldens (pós-produção).

    A entrada é franca e as senhas começam a ser distribuídas 30 minutos antes do início da atividade.

    Data de Início: 15/08

    Duração: 2 horas

    Dias: Terça-feira

    Hórario: 19h30

    Valor: R$ 0,00

  5. Festival Cultura em Miniciclos - Literatura e Gênero | 09, 10 e 11.08 - 19h30

    Festival Cultura em Miniciclos - Literatura e Gênero | 09, 10 e 11.08 - 19h30

    Sem estoque

    Inscrições esgotadas.

    15 min antes do início da atividade serão distribuidas vagas de desistências.

    Quando Simone de Beauvoir formulou a provocativa frase “não se nasce mulher, torna-se mulher”, lançava as bases do que depois se definiu como gênero. Categoria criada pelo feminismo, o gênero nos faz compreender desigualdades construídas a partir das diferenças entre os sexos. Gênero é, portanto, construção social, enquanto sexo seria a natureza que nos diferencia, certo? Não exatamente. De lá pra cá passamos a compreender que, se o gênero é uma convenção arbitrária, o sexo é também inventado. Tornar-se homem ou mulher transita por todos os discursos da cultura. Quanto mais ousa e arrisca, desconstruindo padrões e estereótipos, mais a literatura dá voz e visibilidade aos que desafiam visões tradicionais e conservadoras de sociedade.

    A terceira edição do ‘Cultura em Miniciclos’ abordará essas questões em uma palestra de Clara Averbuck no dia 09 de agosto; em um debate com os convidados Priscila Pasko, Fernando Seffner no dia 10; e com uma apresentação de um stand-up comedy de Yheuriet Kalil e dos artistas Cassandra Calabouço e Marcelo Portuga, que foram selecionados por edital do Miniciclos.

     

     Confira quem é o curador e quem são os convidados desta edição:

    SIMONE SCHMIDT – curadora

    Doutora em Teoria Literária pela PUCRS, Simone Schmidt possui Pós-Doutorado pela Universidade Nova de Lisboa e pela UFF. Professora Associada da UFSC, pesquisadora do CNPq, atua nas áreas de literaturas portuguesa e africanas de língua portuguesa, estudos feministas e pós-coloniais, tendo publicado cerca de 80 artigos em sua área em livros e periódicos científicos. Sua pesquisa atual se dedica ao tema “Escritoras africanas e a construção de um pensamento ao Sul”.

    CLARA AVERBUCK – palestrante

    Escritora com sete livros publicados teve a obra adaptada para cinema e teatro. Escreveu para inúmeros sites, revistas e jornais e hoje é uma das editoras do site Lugar de Mulher, criado em 2014 e que foi um dos principais agentes a fomentar o debate sobre as questões de gênero no Brasil. Tem um canal no YouTube e uma dezena de projetos pretende tirar do papel até um dia desses.

    PRISCILA PASKO – debatedora

    Jornalista e escritora, é idealizadora, editora e repórter do blog Veredas (nonada.com.br/veredas), espaço que discute e divulga a literatura produzida por mulheres, que pertence ao site Nonada - Jornalismo Travessia. Também integra o Grupo de Pesquisa Permanente em Literatura de Autoria feminina de Porto Alegre, coordenado pela escritora Lélia Almeida. Priscila ainda escreve no Tumblr Parece a vida mas é real (http://pareceavidamasereal.tumblr.com/)

    FERNANDO SEFFNER – debatedor

    Docente e orientador junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) na linha de pesquisa Educação, Sexualidade e Relações de Gênero, com ênfase temática nas pedagogias de construção das masculinidades. Atua em pesquisas e orientações investigando situações de vulnerabilidade a AIDS; conexões entre direitos humanos e políticas públicas de gênero e sexualidade, teorizações queer, interseccionalidade e marcadores sociais da diferença.

    DIVINA RAIO-LASER – stand-up comedy

    Considerada uma das drags mais importantes de sua geração, é atriz, cantora, publicitária e palestrante. Em 2016, foi premiada no 5º Prêmio PapoMix como drag queen destaque do ano. Há três anos apresenta e dirige o concurso de drags CoverGirl, palco por onde já passaram mais de 300 drag queens. Palestrou no Festival Path, Social Media Day, Maratona Mude e SPFW, também fez parte da exposição Iguais, da Canon. Em junho, foi destaque na 21ª Parada LGBT de São Paulo.

    Cassandra Calabouço e Marcelo Portuga são os artistas selecionados para a noite de stand up comedy pelo edital do Festival.

    Data de Início: 09/08

    Duração: 1h30

    Dias: Quarta, quinta e sexta-feira

    Hórario: 19h30

    Valor: R$ 0,00

  6. O Pregoeiro | 03.08 - 20h

    O Pregoeiro | 03.08 - 20h

    Sem estoque

    No espetáculo “O Pregoeiro”, Marcio Libar abusa de seu carisma para contar de forma documental a busca pelo reconhecimento da mídia, da crítica especializada e do amor de seu público, o que só consegue ao entrar em contato com um palhaço, onde se reconhece. A partir de então, despe-se da imagem pop que um dia imaginou para si e transforma-se no seu palhaço Cuti-Cuti, enquanto fala sobre perdas, amor e morte. O “Pregoeiro” é um espetáculo no estilo “one man show”, que se resume no tripé ator, palco e plateia.

    Fazendo arte, Libar percorreu o mundo e os quatro cantos do Brasil. Em 1986, fundou com amigos umas das companhias teatrais mais longevas do Rio de Janeiro – Teatro de Anônimo, sediada na Fundição Progresso. Recebeu, em 2006, o Prêmio Especial do Cirque Du Soleil, em Mônaco, das mãos da princesa Stéphanie – um dos maiores orgulhos de sua carreira. No mesmo ano, venceu o Nariz de Prata do festival de Circo de Monte Carlo. No cinema, foi premiado como melhor ator no Festival Internacional de Cinema Paraty no filme “O Diabo a Quatro”, com direção de Alice de Andrade. Contabiliza ainda participações nos documentários “Eu Maior” (direção de Fernando Schultz) e “Tarja Branca” (direção de Cacau Rhoden).

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 03/08

    Duração: 70 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  7. Lançamento do livro Guia de Gestão Urbana, de Anthony Ling | 24.07 - 19h

    Lançamento do livro Guia de Gestão Urbana, de Anthony Ling | 24.07 - 19h

    Caos Planejado, BEI Editora e Instituto Ling têm o prazer de anunciar o evento de lançamento do livro Guia de Gestão Urbana, de Anthony Ling, em Porto Alegre! 

    Anthony Ling, arquiteto e urbanista, vai debater com convidados os temas tratados no seu livro — o primeiro ligado ao seu trabalho no Caos Planejado (caosplanejado.com).

    O livro é um guia para as cidades brasileiras, analisando as diversas regulações aplicadas até hoje e as consequências que elas tiveram no espaço urbano, e sugerindo novos enfoques para o desenvolvimento sustentável das cidades.

    A entrada é gratuita, mediante apresentação de senha. As senhas serão distribuídas por ordem de chegada, 30 minutos antes do início da atividade, na recepção do centro cultural. 

    Ocupação total: 89 lugares.


    Download gratuito do livro:
    https://caosplanejado.com/guia

    Data de Início: 24/07

    Duração: 1h30

    Dias: Segunda-feira

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 0,00

  8. Closer [o amor é suficiente?] | 24.06 - 19h

    Closer [o amor é suficiente?] | 24.06 - 19h

    Sem estoque

    Um espetáculo que busca trazer a luz as diversas nuances da forma humana de se relacionar. O que há entre dois corpos, quando o sentimento de posse se encontra com a traição? Entre o erotismo e o aconchego; o ódio e o prazer; o alívio e a ruptura, está a efemeridade do sentimento. Alice é atropelada e conhece Dan. Anna e Larry se apaixonam. Dan e Anna se encontram. Larry e Alice se vingam. Larry e Anna terminam. Dan e Alice retomam a relação. Entre términos, separações, traições, mágoas, quatro indivíduos desajustados se relacionam em uma complexa rede afetiva.

    Nessa encenação bastante intimista, os espectadores são convidados a seguir os personagens por um espaço cultural contemporâneo e participam como testemunhas de encontros potentes que evocam o erotismo, a necessidade do outro, aquecendo até o peito daquele mais cético, despertando a dor intrínseca de ser amado, e, sendo assim, de ser humano. 

    Closer, de Patrick Marber, é um dos melhores textos acerca da relação do amor e da fidelidade na contemporaneidade. Em 2004 foi adaptado para o cinema com direção de Mike Nichols. No elenco Júlia Roberts, Jude Law, Natalie Portman e Clive Owen.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 24/06

    Duração: 70 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 40,00

  9. Closer [o amor é suficiente?] | 30.06 - 20h

    Closer [o amor é suficiente?] | 30.06 - 20h

    Sem estoque

    Um espetáculo que busca trazer a luz as diversas nuances da forma humana de se relacionar. O que há entre dois corpos, quando o sentimento de posse se encontra com a traição? Entre o erotismo e o aconchego; o ódio e o prazer; o alívio e a ruptura, está a efemeridade do sentimento. Alice é atropelada e conhece Dan. Anna e Larry se apaixonam. Dan e Anna se encontram. Larry e Alice se vingam. Larry e Anna terminam. Dan e Alice retomam a relação. Entre términos, separações, traições, mágoas, quatro indivíduos desajustados se relacionam em uma complexa rede afetiva.

    Nessa encenação bastante intimista, os espectadores são convidados a seguir os personagens por um espaço cultural contemporâneo e participam como testemunhas de encontros potentes que evocam o erotismo, a necessidade do outro, aquecendo até o peito daquele mais cético, despertando a dor intrínseca de ser amado, e, sendo assim, de ser humano. 

    Closer, de Patrick Marber, é um dos melhores textos acerca da relação do amor e da fidelidade na contemporaneidade. Em 2004 foi adaptado para o cinema com direção de Mike Nichols. No elenco Júlia Roberts, Jude Law, Natalie Portman e Clive Owen.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 30/06

    Duração: 70 minutos

    Dias: Sexta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  10. Closer [o amor é suficiente?] | 01.07 - 19h

    Closer [o amor é suficiente?] | 01.07 - 19h

    Sem estoque

    Um espetáculo que busca trazer a luz as diversas nuances da forma humana de se relacionar. O que há entre dois corpos, quando o sentimento de posse se encontra com a traição? Entre o erotismo e o aconchego; o ódio e o prazer; o alívio e a ruptura, está a efemeridade do sentimento. Alice é atropelada e conhece Dan. Anna e Larry se apaixonam. Dan e Anna se encontram. Larry e Alice se vingam. Larry e Anna terminam. Dan e Alice retomam a relação. Entre términos, separações, traições, mágoas, quatro indivíduos desajustados se relacionam em uma complexa rede afetiva.

    Nessa encenação bastante intimista, os espectadores são convidados a seguir os personagens por um espaço cultural contemporâneo e participam como testemunhas de encontros potentes que evocam o erotismo, a necessidade do outro, aquecendo até o peito daquele mais cético, despertando a dor intrínseca de ser amado, e, sendo assim, de ser humano. 

    Closer, de Patrick Marber, é um dos melhores textos acerca da relação do amor e da fidelidade na contemporaneidade. Em 2004 foi adaptado para o cinema com direção de Mike Nichols. No elenco Júlia Roberts, Jude Law, Natalie Portman e Clive Owen.

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 01/07

    Duração: 70 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 40,00

  11. O Fazedor da Utopia de Jaime Lerner – Lançamento presencial de romance digital | 26.07 - 20h

    O Fazedor da Utopia  de Jaime Lerner – Lançamento presencial de romance digital | 26.07 - 20h

    Sem estoque

    O romance O fazedor da utopia reflete acontecimentos políticos da história contemporânea do Brasil ao narrar a trajetória do prefeito da fictícia cidade de Miramar – uma espécie de laboratório de um projeto de país, colocado à prova pelas atitudes dos principais envolvidos em sua concretização. O autor retoma temáticas sociais e políticas, presentes em suas produções para o cinema como “Referendo” e “Harmonia” (2000), através de uma narrativa ágil e fragmentada. O personagem principal, Augusto Severo Diniz, um jovem idealista que resolveu encarar os meandros da política no Brasil e foi eleito como cabeça de uma prefeitura, é apresentado em um momento de crise. O leitor é transportado a um mosaico de suas memórias, devaneios e reflexões na tentativa do prefeito de entender o que deu errado em seu projeto e buscar uma saída.

    A partir de leituras da atriz Débora Finocchiaro e um bate-papo com o autor, o cineasta Jaime Lerner, vamos conversar sobre política, valores, aspirações e, claro, sobre utopia.

    O curta-metragem Kopeck será exibido nesse contexto.
     
    ENTRADA FRANCA!
     
    As senhas serão distribuídas, por ordem de chegada, 30 minutos antes do início.

    O livro é uma publicação digital e pode ser adquirido clicando AQUI.

    Data de Início: 26/07

    Duração: 1h30

    Dias: Quarta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 0,00

  12. André Geraissati | 06.07 - 20h

    André Geraissati | 06.07 - 20h

    Sem estoque

    A trajetória de André Geraissati é uma das mais emblemáticas da música instrumental brasileira. Embora envolvido com música desde os Anos 60, Geraissati surgiu para o grande público no final dos Anos 70, com o Grupo D’Alma. De 79 a 85, fez parte desse trio de violões, que tocando repertório próprio, com fortes características brasileiras, encantou as audiências do mundo todo. Com o Grupo D’Alma, André tocou nos principais festivais internacionais de jazz, estabelecendo-se com um dos grandes talentos do violão brasileiro. Entre 82 e 85, o músico alternou suas atividades no Grupo D’Alma, com apresentações ao lado de Egberto Gismonti. A alquimia musical da dupla era perfeita e André participou das turnês "Fantasia" e "Cidade Coração", dividindo o palco com Gismonti. Essa parceria foi extremamente produtiva. "Entre Duas Palavras", seu primeiro disco solo, lançado em 82, com a participação de Egberto Gismonti é a prova disso. A partir de 85, André se concentrou em seu trabalho solo, lançando discos como "Insight", "Solo", "DADGAD", "7989", “Brazilian Image”, “Next” e “Canto das Águas”. Participou do Festival de Jazz de Montreux e do Curitiba Jazz Meeting. Idealizou e produziu o projeto Tom Brasil/Banco do Brasil Musical. Foram centenas de concertos e apresentações por teatros, universidades, auditórios e praças públicas com as melhores expressões da música instrumental brasileira, unindo sem exceção e preconceito "todos" os instrumentistas do Brasil. Talvez esse seja o mais importante registro de música instrumental já feito na historia recente do Brasil. Tem passagem por diversos países, como Emirados Árabes, Qatar, Egito, Jordânia, Síria, Líbano, República Tcheca, Eslovaquia, Dinamarca, Suécia, Noruega, Bélgica, Holanda, Alemanha, Finlândia e Rússia, entre outros.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 06/07

    Duração: 60 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  13. Antonio Del Claro | 15.07 - 17h

    Antonio Del Claro | 15.07 - 17h

    Sem estoque

    Nascido em São Paulo, aos sete anos iniciou os estudos com seu pai, também violoncelista. Estudou posteriormente com alguns dos principais nomes do instrumento, na Itália, França e Suiça. Classificou-se em 1o.lugar no Concurso de Verão Musical de Taormina (Itália). Foi o mais jovem integrante da Orquestra de Câmara "Pró-Música" de São Paulo e da Orquestra Filarmônica de São Paulo, tendo sido posteriormente primeiro violoncelista da Orquestra do Teatro Municipal de São Paulo e da Orquestra da USP. Na Suíça fez parte do "Trio de Genebra" ,tendo realizado gravações para a Radio Suisse Romande, e se apresentado na França, Suíça e Itália. Como integrante do Artistrio (Brasil) realizou tournée pela Alemanha, onde gravou o CD com obras de Villa Lobos. Fez parte do Trio Americas, fazendo tournées pelos Estados Unidos e Brasil. Como solista atua junto às maiores orquestras brasileiras, nos importantes centros culturais do país. Como professor, fez parte do corpo docente da UNICAMP , foi professor convidado da Fundação Carlos Gomes de Belém - Pa , ministrando aulas a bacharelandos em violoncelo e monitores . Realiza seminários de violoncelo e Master-Classes em diversas cidades do Brasil e EUA, participando também dos mais importantes festivais de música tais como Festival Internacional de Curitiba, Festivais de Inverno de Campos do Jordão, Festival de Música de Londrina , Festival de Música de Juiz de Fora, Festival Música nas Montanhas de Poços de Caldas e Femusc. É também criador, diretor artístico e maestro da Orquestra de Cordas do Festival Internacional de Música do Pará, da Fundação Carlos Gomes - Belém/PA. Obteve da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) o prêmio de Melhor Solista Jovem de 67-72 , Melhor Solista de 92 e Melhor Solista Instrumentista – Premio Carlos Gomes de 1999. Sua grande preocupação em divulgar a música brasileira o fez gravar vários discos de compositores tais como Camargo Guarnieri, Henrique Oswald, Villa Lobos, Radamés Gnatali e Guerra Peixe, tendo também apresentado em 1a. audição mundial obras para violoncelo que lhe foram dedicadas pelos compositores: Camargo Guarnieri, Osvaldo Lacerda, Claudio Santoro, Almeida Prado e Sérgio Vasconcelos Corrêa. Neste recital solo, que faz parte do XIX Encontro de Violoncelos do RS, Antonio apresenta um leque dos diversos compositores para violoncelo, alguns em primeira audição e outros que dedicaram obras ao intérprete.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 15/07

    Duração: 60 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 17h

    Valor: R$ 40,00

  14. 19º Encontro de Violoncelos do RS - Palestra Neurociências e performance musical | 10.07 - 18h30

    19º Encontro de Violoncelos do RS - Palestra Neurociências e performance musical | 10.07 - 18h30

    A palestra “Neurociências e Performance Musical”, que integra a programação do 19º Encontro de Violoncelos do RS, apresenta e fomenta a discussão acerca das contribuições dos conhecimentos neurocientíficos na construção da Performance Musical, com especial atenção ao cérebro dos violoncelistas e instrumentistas de cordas. Busca-se contemplar a complexidade da manifestação musical, articulando saberes e práticas interdisciplinares intrínsecos ao desenvolvimento cognitivo e o contexto sociocultural. 

    Conhecimentos neurocientíficos têm muito a enriquecer a pedagogia da Performance. Expressar-se através da música inclui a capacidade de poder interpretar ou criar a sua versão para uma obra, imprimindo um caráter pessoal e transmitindo algo de si mesmo ao ouvinte. Da produção à recepção, existe um longo caminho, cujo objetivo principal, conscientemente ou não, é a aquisição de técnica em busca da expressividade do discurso musical, elemento refletido no fenômeno performático. É sabido que a prática deliberada é parte fundamental na concepção da performance, porém, o que se defende, é que essa prática evite a repetição mecanicista e inexpressiva, tão comuns no estudo do instrumento e da voz. A plasticidade cerebral reage a estímulos de diversas naturezas, sejam eles motores, sejam puramente mentais, no que o fazer musical possui extraordinário impacto.

    Luciane Cuervo é Bacharel em Música, Mestre em Educação e Doutora em Informática na Educação pela UFRGS. Docente no Departamento de Música do Instituto de Artes da UFRGS.

    A entrada é franca e as senhas serão distribuídas, por ordem de chegada, 30 minutos antes do início da palestra.

    Data de Início: 10/07

    Duração: 90 minutos

    Dias: Segunda-feira

    Hórario: 18h30

    Valor: R$ 0,00

  15. 19º Encontro de Violoncelos do RS - O coaching aplicado ao desenvolvimento da carreira para músicos | 11.07 - 18h30

    19º Encontro de Violoncelos do RS - O coaching aplicado ao desenvolvimento da carreira para músicos | 11.07 - 18h30

    A palestra com o coach de carreira e músico violinista André Meneghello, que integra a programação do 19º Encontro de Violoncelos do RS, irá abordar a questão da orientação vocacional e do desenvolvimento de carreira para músicos e estudantes de música. Através de uma reflexão sobre questões como: habilidades, talentos, inteligências múltiplas e valores serão tratados aspectos do autoconhecimento que levam a uma maior clareza para o adequado planejamento e ação para o desenvolvimento da carreira musical, como enfoque na metodologia do coaching.

    André Meneghello Coach Vocacional e Mastercoach de carreira pelo Instituto MS de Coaching de Carreira, coautor do livro: Construa o seu caminho! Você está construindo o seu? pela Editora Conquista. Bacharel em violino pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro- UNIRIO, sob orientação do professor Paulo Bosísio. Participou de diversas orquestras como, Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Orquestra Studio Spiller em Buenos Aires, Orquestra de Câmara da Ulbra e Orquestra de Câmera do Theatro São Pedro de Porto Alegre. Foi professor de diversos Festivais de música, entre eles, Festival Internacional de Música Colonial de Juiz de Fora (MG), Festival Música nas Montanhas em Poços de Caldas (MG), Festival Internacional SESC de Música, em Pelotas e Festival de Música de Caxias do Sul. Como professor atua também em projetos sociais e culturais ligados a Universidade de Caxias do Sul e a Unisinos. Atualmente é Spalla da Orquestra Sinfônica da Universidade de Caxias do Sul e primeiro viola da Orquestra Unisinos Anchieta, coordenador do Projeto Orquestra Jovem do Recreio da Juventude-UCS e atua como Coach com foco na orientação vocacional e direcionamento de carreira. 

    A entrada é franca e as senhas serão distribuídas, por ordem de chegada, 30 minutos antes do início da palestra.

    Data de Início: 11/07

    Duração: 60 minutos

    Dias: Terça-feira

    Hórario: 18h30

    Valor: R$ 0,00

  16. Festival Cultura em Miniciclos - A dimensão lúdica do design e da arquitetura | 05, 06 e 07.07 - 19h30

    Festival Cultura em Miniciclos - A dimensão lúdica do design e da arquitetura | 05, 06 e 07.07 - 19h30

    A cidade pode ser alegre? Teve um tempo em que a cidade inventou a humanidade, seremos capazes de desumanizá-la? Conseguiremos desenvolver um método de projeto poético, atento às sensações e aos afetos? Conseguiremos resgatar os espaços degradados onde habita parte da alma humana, como quem resgata o sentido da humanidade? Como faremos para tornar os espaços urbanos ambientes para o desenvolvimento do homem como obra principal do universo ou de existências componíveis com infinitas formas de viver?

    Todas essas perguntas são absolutamente pertinentes no mundo atual, onde a alma se perde em meio ao desordenado crescimento das cidades, assoladas pelo capitalismo. “O ambiente construído nunca é neutro: ele pode ampliar nossa potência de agir no mundo ou contribuir para decompor o que temos de mais singular e valioso. A potência da arquitetura e do urbanismo se dá na expressão de um modo de viver, de uma cultura, de um povo; o que é exatamente o oposto da reprodução de modelos hegemônicos”, afirma a arquiteta e urbanista Iazana Guizzo, a palestrante convidada desta segunda edição. Com curadoria do arquiteto, escritor, ilustrador, compositor, músico, ator e diretor Cláudio Levitan, o Miniciclo de julho trará ainda Leonardo Brawl Márquez e Carina Levitan como debatedores. O stand-up comedy desta segunda edição será com Juliana Barros. Os artistas selecionados por edital são Ramon Ortiz e Marcelo Moura.

    Os Miniciclos são uma série de eventos que colocarão em pauta assuntos dos mais interessantes e trarão sempre convidados para palestras e debate. Também darão voz e palco ao stand-up comedy em Porto Alegre, levando humor de qualidade ao público. Nada do que será apresentado já foi visto ou ouvido, não desta forma, cheia de provocação e humor. A cada mês, um tema será abordado com a seguinte fórmula: uma palestra proferida por convidado referência no tema; um debate com convidados que representem as diversas posições sobre o assunto e uma noite de stand-up comedy, com um comediante conhecido a cada vez, acompanhado de dois outros escolhidos por edital. A aposta da LIGA Produção Cultural, criadora do projeto, é de que tudo pode acontecer, principalmente se as pessoas forem provocadas dentro e fora do palco. Tanto os convidados quanto os curadores dos Miniciclos pensam “fora da caixa” e cada um deles trará um delicioso desafio para compartilhar!

     Confira quem é o curador e quem são os convidados desta edição:

    CLÁUDIO LEVITAN - curador

    Arquiteto e Urbanista, com mestrado em Habitação Popular pela University of Newcastle-upon-Tyne, Inglaterra; especialização em Administração Pública e Planejamento Urbano. Arquiteto do Banco Nacional da Habitação (1975 - 1986) e da Caixa Econômica Federal (1986 – 1997), exerceu funções executivas, entre elas, Gerente Operacional de Saneamento, Desenvolvimento Urbano e Habitação Popular para o RS; Coordenador de Fomento da Região Sul e Chefe da Engenharia do RS. Além de arquiteto, é escritor, ilustrador, compositor, músico, ator e diretor. 

    IAZANA GUIZZO - palestrante

    Arquiteta e Urbanista, com doutorado em urbanismo pela UFRJ e IUP/Paris; Sócia-fundadora do escritório Terceira Margem: arquitetura e singularidades, RJ; Coordenadora e professora do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Santa Úrsula no Rio, cujo objetivo, em suas palavras, "é o da formação de arquitetas e arquitetos mais atentos ao seu próprio corpo e a alteridade, apropriados de pesquisas poéticas e ferramentas não tradicionais ao nosso campo, com o domínio de diferentes maneiras de construir e, sobretudo, engajados na produção de um mundo mais poético e democrático". Iazana tem curso técnico de dança pela Angel Vianna, RJ;

    LEONARDO BRAWL MÁRQUEZ - debatedor

    Arquiteto e Urbanista, co-fundador do TransLAB / Instituto de Pesquisa em Inovação Social, com foco na pesquisa urbana, mapeamento, gentrificação, ocupações, urbanismo hacker, acupuntura urbana, urbanismo tático e placemaking; co-fundador do projeto/movimento Raiz Urbana, com foco na produção de alimentos no ambiente urbano, integrando à rede FAO da ONU sobre Resiliência Alimentar e da Micro Feira Espaço Orgânico, bairro Rio Branco, Porto Alegre - RS; Co-Fundador da rede autônoma brasileira dos placemakers, o Placemaking Brasil, um dos 81 membros mundiais do movimento Placemaking que colaboraram com a Nova Agenda Urbana da UN-Habitat de 2020, braço da ONU que trata sobre as Cidades. É músico e integra o Fórum Permanente de Música do RS.

    CARINA SERRANO LEVITAN - debatedora

    Música e artista plástica, com graduação em Sound Arts & Design pela University of The Arts London; construtora de esculturas sonoras; trilhas sonoras e desenhos de som para cinema, audiovisual, performances e instalações, com prêmios nacionais e internacionais; curso incompleto de Arquitetura, PUC-RS; curso-vivência em Permacultura, Pirenópolis, GO; idealizadora do Ovo Festival Sonoro, projeto de experimentação musical e performance internacional, 2016; construiu a Praça do Som no Colégio Marista Champagnat, POA/RS, para o ensino fundamental e educação infantil; coordenou a Escola Caseira de Invenções, da 9ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul; participou do grupo de improvisação Unknown Devices The Laptop Orchestra, dirigido por David Toop, Londres; direção musical do programa Pandorga, exibido pela TV Brasil. 

    JULIANA BARROS - comediante

    Atriz, mãe, bartender mixologista, estudante de publicidade tem trinta anos, odeia bife de fígado, ex e ainda mora com a mãe. Juliana iniciou na comédia em 2013 fazendo seu próprio open mic em Novo Hamburgo. Em 2014 faz seu primeiro curso de stand up comedy na Casa de Teatro de Porto Alegre. No final de 2015 especializou-se em escrita cômica na Casa do Humor em São Paulo. Fundou então seu próprio stand up intitulado Tinha que ser mulher, primeiro grupo composto apenas por mulheres. 

    Ramon Ortiz e Marcelo Moura são os artistas selecionados para a noite de stand up comedy pelo edital do Festival.

    A ENTRADA É FRANCA. AS INSCRIÇÕES DEVEM SER FEITAS NESTE LINK.

    Data de Início: 05/07

    Duração: 1h30

    Dias: Quarta, quinta e sexta-feira

    Hórario: 19h30

    Valor: R$ 0,00

  17. Abobrinhas recheadas | 21.07 - 20h

    Abobrinhas recheadas | 21.07 - 20h

    Sem estoque

    Abobrinhas Recheadas é o primeiro espetáculo de Stand-Up Dance Comedy do RS. A edição Dance a Letra apresenta coreografias criadas a partir da mímica de letras de músicas famosas, que vão de Chico Buarque a Anitta, passando por canções como Construção, Show das Poderosas, Emoções e Faroeste Caboclo, além dos hits regionais como Amigo Punk e Porto Alegre é Demais! Produzido pela Macarenando Dance Concept, a peça explora a união da dança e do humor. “O arranjo coreográfico de elementos comuns da cultura permite explorarmos a comicidade cênica da dança, trazendo diferentes formas de questionamento do corpo, da cultura pop, da mídia, da política. Com humor, aproximamos o público da dança e fomentamos a formação de plateias na área”, afirma Gui Malgarizi, que assina a direção do espetáculo ao lado de Diego Mac.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 21/07

    Duração: 80 minutos

    Dias: Sexta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  18. Abobrinhas recheadas | 22.07 - 19h

    Abobrinhas recheadas | 22.07 - 19h

    Sem estoque

    Abobrinhas Recheadas é o primeiro espetáculo de Stand-Up Dance Comedy do RS. A edição Dance a Letra apresenta coreografias criadas a partir da mímica de letras de músicas famosas, que vão de Chico Buarque a Anitta, passando por canções como Construção, Show das Poderosas, Emoções e Faroeste Caboclo, além dos hits regionais como Amigo Punk e Porto Alegre é Demais! Produzido pela Macarenando Dance Concept, a peça explora a união da dança e do humor. “O arranjo coreográfico de elementos comuns da cultura permite explorarmos a comicidade cênica da dança, trazendo diferentes formas de questionamento do corpo, da cultura pop, da mídia, da política. Com humor, aproximamos o público da dança e fomentamos a formação de plateias na área”, afirma Gui Malgarizi, que assina a direção do espetáculo ao lado de Diego Mac.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 22/07

    Duração: 80 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 40,00

  19. Abobrinhas recheadas | 28.07 - 20h

    Abobrinhas recheadas | 28.07 - 20h

    Sem estoque

    Abobrinhas Recheadas é o primeiro espetáculo de Stand-Up Dance Comedy do RS. A edição Dance a Letra apresenta coreografias criadas a partir da mímica de letras de músicas famosas, que vão de Chico Buarque a Anitta, passando por canções como Construção, Show das Poderosas, Emoções e Faroeste Caboclo, além dos hits regionais como Amigo Punk e Porto Alegre é Demais! Produzido pela Macarenando Dance Concept, a peça explora a união da dança e do humor. “O arranjo coreográfico de elementos comuns da cultura permite explorarmos a comicidade cênica da dança, trazendo diferentes formas de questionamento do corpo, da cultura pop, da mídia, da política. Com humor, aproximamos o público da dança e fomentamos a formação de plateias na área”, afirma Gui Malgarizi, que assina a direção do espetáculo ao lado de Diego Mac.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 28/07

    Duração: 80 minutos

    Dias: Sexta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  20. Abobrinhas recheadas | 29.07 - 19h

    Abobrinhas recheadas | 29.07 - 19h

    Sem estoque

    Abobrinhas Recheadas é o primeiro espetáculo de Stand-Up Dance Comedy do RS. A edição Dance a Letra apresenta coreografias criadas a partir da mímica de letras de músicas famosas, que vão de Chico Buarque a Anitta, passando por canções como Construção, Show das Poderosas, Emoções e Faroeste Caboclo, além dos hits regionais como Amigo Punk e Porto Alegre é Demais! Produzido pela Macarenando Dance Concept, a peça explora a união da dança e do humor. “O arranjo coreográfico de elementos comuns da cultura permite explorarmos a comicidade cênica da dança, trazendo diferentes formas de questionamento do corpo, da cultura pop, da mídia, da política. Com humor, aproximamos o público da dança e fomentamos a formação de plateias na área”, afirma Gui Malgarizi, que assina a direção do espetáculo ao lado de Diego Mac.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 29/07

    Duração: 80 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 40,00

  21. Música Mundana - Conjunto de Músicas Antigas e Tradicionais

    Música Mundana - Conjunto de Músicas Antigas e Tradicionais

    Idealizado como um projeto de Extensão do Departamento de Música da UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, o grupo MÚSICA MUNDANA pesquisa e interpreta músicas antigas e tradicionais, com especial dedicação à música medieval.

     

    Neste recital elaborado para a abertura do XII EIEM - Encontro Internacional de Estudos Medievais o grupo apresenta um repertório inspirado em diferentes narrativas, desde o amor cortesão, as relações humanas, religiosidade e as interações entre os elementos da natureza. No programa, uma viagem através da história da música, a partir de melodias e cânticos de séculos passados.

     

    Acervo de instrumentos:

    Flautas doces, gemshorns, cornamusa, krumhorn, pífano, alaúde árabe (oud), alaúde renascentista, saltério de dedos, guitarra latina (cítola), setar persa, violas, rabecas, saltério de arco, violino, harpa celta, harpa gótica, derbak, tabla indiana, címbalos, campânulas.

     

    Entrada franca, sujeita à lotação do espaço: 30 minutos antes da atividade, retire sua senha na recepção do Instituto Ling.

     

    MÚSICOS

    Arthur Wilkens

    Eliana Vaz Huber

    Fernando Lewis de Mattos

    Flávia Domingues Alves

    Lucas Alves

    Paloma Silveira Rossatto

     

    REPERTÓRIO

    1. Anônimo (séc. X) – Sancte Bonifati martyr (antífona)
    2. 2.    Anônimo (séx. XII) – Al entrada del Temps Clar
    3. 3.    Bernart de Ventadorn (ca. 1150-1195) – Can vei la lauzeta
    4. Richard Lionheart (1157-1199) – Ja nuns hons pris
    5. 5.    Hildegard von Bingen (1098-1179) – O ignee spiritus
    6. Anônimo (séc. XIII) – Summer is icumen in (cânone) – Instrumental
    7. Guiot de Dijon (séc. XIII) – Chanterai pour mon corage
    8. 8.    Oswald von Wolkenstein (1376-1445) – Wach auff
    9. 9.    Beatriz de Dia (1175-1212) - A chantar m’er de so

    10. Anônimo (séc. XIII) – Summer is icumen in (cânone) – Vocal

    11. Alfonso X (1221-1284) – Cantigas de Santa Maria:  10. Rosa das rosas

    Alfonso X (1221-1284) – Cantigas de Santa Maria:  100. Santa Maria strela do dia

    Data de Início: 03/07

    Duração: 60 minutos

    Dias: Segunda-feira

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 0,00

  22. DUO RITTER-CORDELLA | 12.08 - 17h

    DUO RITTER-CORDELLA | 12.08 - 17h

    Sem estoque

    Alexandre Ritter e Fernando Cordella apresentam um recital raro no Brasil e no mundo, unindo contrabaixo e cravo. Com um programa formado por compositores do período clássico, como J.B. Vanhal e K.D. v Dittersdorf, o duo homenageia a produção cultural e musical deste período.

    Professor de contrabaixo da UFRGS desde 2000, Alexandre recebeu os títulos de Doutor e Bacharel pela University of Georgia (EUA). Sua formação musical e acadêmica também inclui um ano de mestrado em Performance de Contrabaixo na University of British Columbia (Canadá) e estudos com Franco Petracchi na Academia Musicale Chiggiana, em Siena, na Itália e Campus Internazionale di Musica, em Sermoneta, também na Itália. Já participou de vários festivais de música, tendo realizado masterclasses com grandes contrabaixistas e tem uma extensa experiência como músico de orquestra, que inclui participação em orquestras na América do Norte e América do Sul, bem como as Sinfônicas de Porto Alegre e Paraná, no Brasil. Seu trabalho como músico sinfônico, camerista e solista o tem levado a tocar na Alemanha, Canadá, Costa Rica, França, Itália, EUA, Brasil e Argentina.

    Fernando Cordella é diretor artístico da Confraria Música Antiga StudioClio e da Sociedade Bach Porto Alegre. Vencedor do Prêmio Açorianos 2011, como melhor intérprete da categoria música erudita pelo disco Cravos-de Frescobaldi a Mozart. Vêm atuando como solista e cravista das principais orquestras diversas orquestras do país, tais como Orquestra de Câmara Theatro São Pedro, Camerata Antiqua de Curitiba, Sinfonietta de Belo Horizonte, OSPA e Orquestra de Câmara da ULBRA, entre outras. Participa regularmente, desde 2006, como cravista oficial do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga, em Juiz de Fora/MG. Seu interesse pela música barroca fez com que, a partir de 1998, se dedicasse a pesquisa de técnicas interpretativas deste estilo, tendo realizado cursos e especialização em cravo.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 12/08

    Duração: 60 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 17h

    Valor: R$ 40,00

  23. ROBERTA GAMBARINI E ROY HARGROVE | 17.08 - 20h

    ROBERTA GAMBARINI E ROY HARGROVE | 17.08 - 20h

    Sem estoque

    SHOW EXTRA!

    Apenas duas semanas após colocar o pé em solo americano pela primeira vez, Roberta Gambarini surpreendeu o mundo do Jazz ao terminar em terceiro lugar na Thelonious Monk Vocal Competition de 1998. Ela rapidamente se tornou uma constante no circuito internacional de Jazz, aparecendo em grandes salas de concerto, festivais e clubes ao redor do mundo (Carnegie Hall, Kennedy Center, Hollywood Bowl, entre outros). Marcou presença em shows e álbuns com gigantes como Chucho Valdes, Herbie Hancock, Dave Brubeck, James Moody, Hank Jones, Clark Terry, Michael e Randy Brecker, Jimmy Heath, Roy Hargrove, Jimmy Cobb, Slide Hampton, Frank Wess, Eric Gunnison, Johnny Griffin, John Lee, Billy Higgins, James Morrison e Kenny Burrell. Indicada ao Grammy, premiada no Grand Prix du Jazz Vocal 2009 e “Cantora de Jazz do Ano” pela Associação de Jornalistas de Jazz em 2007 e 2009, Roberta é uma das mais importantes cantoras do século 20. Algumas opiniões sobre a cantora: "Gambarini é uma verdadeira sucessora de Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan e Carmen McRae." (Boston Globe); "Abençoada com uma musicalidade excelente e uma compreensão intuitiva de elementos do jazz." (Los Angeles Times); "A melhor cantora a surgir nos últimos 60 anos." (Hank Jones); "Roberta é uma das maiores cantoras de todos os tempos!" (Paquito D'Rivera).

    Trompetista vencedor do Grammy, Roy Hargrove se estabeleceu como um dos mais importantes músicos do cenário jazzístico. Com cerca de 20 discos gravados como líder e muitos outros integrando diversas formações, Roy já tocou e gravou com ícones como Sonny Rollins, Herbie Hancock, Roy Haynes, Dizzy Gillespie, Oscar Peterson e com o seu inovador grupo de Hip-Hop/Jazz Rh Factor, deixando marcas indeléveis em uma vasta gama de projetos e emocionando o público em todo o mundo com seu talento musical. Hargrove também ganhou Grammy Awards com dois projetos diferentes. Em 2002, o grupo formado por Roy, Herbie Hancock e Michael Brecker foi premiado na categoria Melhor Álbum de Jazz Instrumental com Direction in Music: Live at Massey Hall, sempre muito elogiado pelos críticos por suas habilidades no trompete e pelos prêmios Grammy. Ao lado de Roy, os músicos Justin Robinson (sax/flauta), Tadataka Unno (piano), Quincy Phillps (baterista), Ameen Saleem (baixo).

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 17/08

    Duração: 60 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  24. Lançamento do livro "Perigosas Pedaladas", de João Villaverde | 14.08 - 19h30

    Lançamento do livro "Perigosas Pedaladas", de João Villaverde | 14.08 - 19h30

    Sem estoque

    Neste livro altamente revelador, o jornalista João Villaverde explica, de forma clara e acessível, o que foram as “pedaladas fiscais”, como foram as disputas dentro do governo Dilma Rousseff para encerrar a crise, como essas operações foram investigadas e como, finalmente, a presidente foi destituída. O Brasil do pós-Dilma está diante de uma nova rodada de transformações. O livro alerta para o que poderia ser uma política econômica para o futuro. Em todos os momentos de grave crise, diversas reformas – sociais, políticas e até culturais – surgiram. Foi assim logo após a Revolução de 1930, após o golpe militar de 1964, mais tarde durante a “década perdida” dos anos 1980 e também após a quase falência dos bancos públicos e do próprio governo no fim dos anos 1990. O Brasil do pós-Dilma está diante de uma nova rodada de transformações. O que sairá da implosão do acordo político e econômico do pós-Constituição de 1988? Ao dissecar as pedaladas fiscais e o papel de diferentes segmentos do governo federal (os economistas, os investigadores e os advogados). Qual será nosso futuro depois desta enorme e dramática crise? O livro de João Villaverde lança uma luz nessa escuridão.

    O autor, João Villaverde, estará ao lado dos debatedores Eduardo Wolf, filósofo, doutor pela USP e ex-secretário-adjunto de Cultura em Porto Alegre, e do economista Sérgio Gobetti, doutor pela UnB e servidor de carreira do Ipea. O debate será mediado por Karim Miskulin, diretora da revista Voto!

    Após o debate, haverá uma sessão de autógrafos.

    Sobre o autor: João Villaverde é jornalista pela PUC-SP, com especialização em macroeconomia do desenvolvimento pela FGV-SP. Ganhou, por dois anos consecutivos (2014 e 2015), o prêmio de Melhor Reportagem oferecido pela Agência Estado e pelo jornal O Estado de S. Paulo, onde trabalhou por quase cinco anos na sucursal de Brasília. Foi finalista do Grande Prêmio Esso de Jornalismo, em 2015. Depois de 11 anos em redações de jornais (Valor Econômico e Estadão), foi visiting scholar na Universidade de Columbia, em Nova York (EUA), e atualmente é pesquisador em Administração Pública e Governo na FGV, em São Paulo. 

    A entrada é franca! As senhas serão distribuídas, por ordem de chegada, até a lotação do auditório (89 lugares).

    Data de Início: 14/08

    Duração: 1h30

    Dias: Segunda-feira

    Hórario: 19h30

    Valor: R$ 0,00

  25. Show MESSIAS BRITTO

    Show MESSIAS BRITTO

    Messias Britto, músico precoce e autodidata, natural de Euclides da Cunha, no sertão baiano, com 12 anos viu um cavaquinho pela primeira vez. Aos 14 anos, conheceu o choro ao ouvir Waldir Azevedo em um disco de vinil, fascinado pelo gênero, formou com amigos o primeiro grupo de choro do sertão baiano, “Os Chorões do Cumbe”. Com 19 anos se mudou para Salvador, a convite do Clube do Choro da Bahia. Na capital, deu aulas práticas de cavaquinho e levou o projeto "Cavaquinho na Música Brasileira" para várias escolas, tocando um repertório de choro e MPB. Além do Clube do Choro, Messias fez parte do Grupo Mandaia. Dono de uma musicalidade natural e expressiva, demonstrada com uma técnica própria, ágil e precisa, seu cavaquinho vai além do esperado. Em 2011, o músico foi morar em São Paulo e iniciou um intercâmbio musical, formando o "Quarteto Aeromosca". Admirado por nomes como Yamandu Costa e Armandinho Macedo, Messias conquistou o Festival de Música da Rádio Educadora da Bahia (BA),como “Melhor Intérprete Instrumental” por dois anos consecutivos (2012 e 2013). Em 2014, lançou seu primeiro album “Baianato”, em que, ao lado de um repertório quase totalmente autoral, registra sua surpreendente interpretação da clássica “Espinha de Bacalhau”, do compositor pernambucano Severino Araújo. Ao lado de Messias neste show, o grupo Antenório, formado por Mathias Pinto (violão) e Guilherme Sanches (pandeiro).

    Ocupação total: 89 lugares 

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013 

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 21/07

    Duração: 60min

    Dias: 21/07/2016

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00