Programação Cultural

  1. Ponto de Teatro - Espalhem minhas cinzas na Eurodisney | 07.04.2018 - 18h

    Ponto de Teatro - Espalhem minhas cinzas na Eurodisney | 07.04.2018 - 18h

    Sem estoque

    Espalhem minhas cinzas na Eurodisney convida o espectador a passear por um território futurista devastado. O dramaturgo Rodrigo García fala ao mesmo tempo do presente e de um futuro que talvez já tenha chegado. As franquias, os comportamentos da sociedade de consumo, as estratégias de venda, as manipulações midiáticas, as fissuras dos sistemas democráticos, a influência de tudo isso nas relações pessoais se exibem diante de um mundo natural que parece cada vez mais inacessível. Paisagens que remetem à ficção científica, mas que apenas exibem o estado atual das coisas.

     

    O projeto Ponto de Teatro e tem patrocínio da Fitesa e financiamento do Governo RS / Sistema Pró-Cultura / Lei de Incentivo à Cultura - LIC/RS.

     

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 26 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013 Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 07/04

    Duração: 50 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 18h

    Valor: R$ 40,00

  2. Ponto de Teatro - Espalhem minhas cinzas na Eurodisney | 13.04.2018 - 20h

    Ponto de Teatro - Espalhem minhas cinzas na Eurodisney | 13.04.2018 - 20h

    Sem estoque

    Espalhem minhas cinzas na Eurodisney convida o espectador a passear por um território futurista devastado. O dramaturgo Rodrigo García fala ao mesmo tempo do presente e de um futuro que talvez já tenha chegado. As franquias, os comportamentos da sociedade de consumo, as estratégias de venda, as manipulações midiáticas, as fissuras dos sistemas democráticos, a influência de tudo isso nas relações pessoais se exibem diante de um mundo natural que parece cada vez mais inacessível. Paisagens que remetem à ficção científica, mas que apenas exibem o estado atual das coisas.

     

    O projeto Ponto de Teatro e tem patrocínio da Fitesa e financiamento do Governo RS / Sistema Pró-Cultura / Lei de Incentivo à Cultura - LIC/RS.

     

    Texto: Rodrigo Garcia

    Cenário, Iluminação e Videografia: Ricardo Vivian

    Figurino: Duda Cardoso

    Trilha sonora original: Pablo Sotomayor

    Orientação Coreográfica: Douglas Jung

    Maquiagem e cabelo: CUBO

    Assessoria de Imprensa: Lauro Ramalho

    Fotos: Vilmar Carvalho

    Produção: Adriane Mottola e Duda Cardoso

    Realização: Cia Stravaganza

     

    Grupo Artístico

     

    A Cia. Stravaganza, criada em junho de 1988, chega aos 30 anos em plena atividade. Além de criar e produzir 28 espetáculos e inúmeros projetos, conquistar sua sede própria e abrir o espaço do Estúdio Stravaganza para grupos teatrais em residência artística, se firma como um coletivo afinado com as teatralidades contemporâneas. Marcada pela investigação da linguagem da máscara teatral e dos diversos estilos de jogo, como a commedia dell’arte, o clown e o melodrama, a Cia. centra seu processo criativo sobre o ator-criador, o performer que busca recriar a tradição fundindo-a com propostas contemporâneas de atuação.

     

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 23 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013 Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

     

    Inscreva-se na Oficina de Crítica Teatral - Ponto de Teatro. Saiba mais AQUI.

     

    Data de Início: 13/04

    Duração: 50 minutos

    Dias: Sexta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  3. Ponto de Teatro - Espalhem minhas cinzas na Eurodisney | 14.04.2018 - 18h

    Ponto de Teatro - Espalhem minhas cinzas na Eurodisney | 14.04.2018 - 18h

    Sem estoque

    Espalhem minhas cinzas na Eurodisney convida o espectador a passear por um território futurista devastado. O dramaturgo Rodrigo García fala ao mesmo tempo do presente e de um futuro que talvez já tenha chegado. As franquias, os comportamentos da sociedade de consumo, as estratégias de venda, as manipulações midiáticas, as fissuras dos sistemas democráticos, a influência de tudo isso nas relações pessoais se exibem diante de um mundo natural que parece cada vez mais inacessível. Paisagens que remetem à ficção científica, mas que apenas exibem o estado atual das coisas.

     

    O projeto Ponto de Teatro e tem patrocínio da Fitesa e financiamento do Governo RS / Sistema Pró-Cultura / Lei de Incentivo à Cultura - LIC/RS.

     

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 26 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013 Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 14/04

    Duração: 50 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 18h

    Valor: R$ 40,00

  4. Ksenia Nosikova | 05.04.2018 - 20h

    Ksenia Nosikova | 05.04.2018 - 20h

    Sem estoque

    Descrita pela crítica como uma pianista “de primeira qualidade”, pelo Fono Forum/Alemanha e de “refinada sensibilidade e excelente pianismo”, pelo New York Concert Reviews, Nosikova é um dos grandes destaque do cenário musical internacional, apresentando-se com frequência pela Europa, Ásia, Rússia, EUA, Canadá e América do Sul. Dentre as principais salas de concerto em que se apresentou, estão o Carnegie Hall e o Merkin Hall de Nova York, além dos teatros de Shangai e Hong Kong (China). É convidada frequente de importantes festivais do mundo, como os de Amalfi e Rimini (Itália), Munster (França), Rovin (Iugoslávia), Gabrovo (Bulgária), Novi Sad (Sérvia), Aspen e Sarasota (EUA). Ksenia Nosikova gravou para os selos Profil Medien, Albany, Centaur e Capstone Records. Dentre seus nove aclamados cds, está a gravação da integral dos “Anos de Peregrinação” de Liszt, um dos pilares do repertório pianístico. Segundo a revista “London’s International Piano Magazine”, o volume “Itália” dos “Anos de Peregrinação” é um “super disco”, considerado uma das seis melhores gravações da obra, podendo ser equiparada a versões de grandes pianistas, como Brendel, Berman e Bolet. A pianista é formada pelo Conservatório de Moscow, onde concluiu com a mais alta distinção o Bacharelado e o Mestrado. Após emigrar para os EUA, obteve seu Doutorado na Universidade do Colorado e, atualmente, é professora da Universidade de Iowa. Em sua classe, estão pianistas de vários países, que já desenvolvem carreiras de destaque nos EUA e exterior. Premiada em três concursos internacionais, Ksenia Nosikova é convidada frequente para compor o júri de vários concursos, como o Liszt-Garrison, Los Angeles, Schmidbauer e MTNA (EUA), além do Ibla Grand Prize (Itália). Ksenia Nosikova é uma artista Steinway, além de membro da Sociedade Liszt dos EUA e Diretora Artística da série de concertos “Piano Sundays” at Old Capitol.

     

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 05/04

    Duração: 60 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  5. 18º Encontro de Violoncelos RS - Palestra Neurociências e Performance Musical

    18º Encontro de Violoncelos RS - Palestra Neurociências e Performance Musical

    Atividade que integra a programação oficial do 18º Encontro de Violoncelos RS, a palestra “Neurociências e Performance Musical” apresenta e fomenta a discussão acerca das contribuições das Neurociências na construção da Performance Musical, com especial atenção ao cérebro dos violoncelistas e instrumentistas de cordas. Busca-se contemplar a complexidade da manifestação musical, articulando saberes e práticas interdisciplinares intrínsecos ao desenvolvimento cognitivo e o contexto sociocultural. Conhecimentos neurocientíficos têm muito a enriquecer a pedagogia da Performance. Expressar-se através da música inclui a capacidade de poder interpretar ou criar a sua versão para uma obra, imprimindo um caráter pessoal e transmitindo algo de si mesmo ao ouvinte. Da produção à recepção, existe um longo caminho, cujo objetivo principal, conscientemente ou não, é a aquisição de técnica em busca da expressividade do discurso musical, elemento refletido no fenômeno performático. É sabido que a prática deliberada é parte fundamental na concepção da performance, porém, o que se defende, é que essa prática evite a repetição mecanicista e inexpressiva, tão comuns no estudo do instrumento e da voz. A plasticidade cerebral reage a estímulos de diversas naturezas, sejam eles motores, sejam puramente mentais, no que o fazer musical possui extraordinário impacto. 

    Ministrante:

    Luciane Cuervo é professora do Departamento de Música da UFRGS, recentemente realizou estudos sobre musicalidade humana na University College of London com o Dr. Graham Welch, como pesquisadora honorária visitante. Vice-líder do EDUCAMUS – Grupo de Estudos e Pesquisa em Música e Educação (PPGEDU/UFRGS; CNpq), coordenou o projeto interdisciplinar “Articulações entre Música, Educação e Neurociências: propostas para Ensino Superior” (PROPESQ/UFRGS), o qual contou com parcerias de pesquisadores das áreas de Música, Educação, Medicina, Fisiologia e Neurociências. Pelo terceiro ano consecutivo, em 2016, foi palestrante convidada da área da música na Semana Nacional do Cérebro, evento mundial que visa popularizar os conhecimentos neurocientíficos para a comunidade. Suas pesquisas em andamento, em caráter interdisciplinar, congregam interesses acerca da cognição musical. Intérprete de música antiga e contemporânea, realizou diversas estreias mundiais de compositores brasileiros, tendo sido indicada ao Prêmio Açorianos na categoria Revelação pelo CD Sonetos de Amor e Morte (FUMPROARTE). 

    Parceria: Instituto Ling e 18º Encontro de Violoncelos RS

    Data de Início: 06/07

    Duração: 90min

    Dias: 06/07/2016

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 10,00

  6. 18º Encontro de Violoncelos RS - Recital Jarvis Twitchell Duo

    18º Encontro de Violoncelos RS - Recital Jarvis Twitchell Duo

    Sem estoque

    Recital que integra a programação oficial do 18º Encontro de Violoncelos RS, o Jarvis Twitchell Duo é a colaboração de Adriana Jarvis, piano, e Hans Twitchell, violoncelo. Eles apresentam um repertório imenso em recitais em três continentes. Foram premiados por sua apresentação no Concurso Internacional de Piano Liszt - Garrison em Baltimore, nos E.U.A. em 2011 – Divisão de Artistas Colaboradores. São integrantes fundadores do versátil conjunto de câmara norte-americano Avery Ensemble, agora em sua 16ª temporada (www.averyensemble.org). Entre suas atividades recentes destacam-se a estreia sul-americana da Segunda Sonata para Violoncelo e Piano de Alfred Schnittke, em Porto Alegre, a gravação da Suite de Paul Creston, em West Hartford, Connecticut, EUA, e um recital em Jerusalém, Israel. No Rio International Cello Encounter, 2016, o Duo apresentará a estreia mundial de uma obra composta especialmente para eles pelo compositor Luigi Irlandini. Atuam também como solistas e são igualmente fluentes, respectivamente, no cravo e na viola de gamba. Twitchell é Doutor em violoncelo pela University of Connecticut.

    Parceria: Instituto Ling e 18º Encontros de Violoncelos RS 

    ENTRADA FRANCA 

    Local: Auditório do Instituto Ling

    Capacidade de ocupação: 89 lugares

    Distribuição de senhas: a partir das 17h30 na recepção do Instituto Ling

    Data de Início: 04/07

    Duração: 75min

    Dias: 04/07/2016

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 0,00

  7. Espetáculo de Dança Butoh - Caminhos Pelos Quais

    Espetáculo de Dança Butoh - Caminhos Pelos Quais

    O espetáculo é fruto das descobertas e dos aprendizados da professora e bailarina Ana Medeiros com Yoshito Ohno no caminho do Butoh. E o que é o Butoh? É dançar a interioridade da alma. E o que é a alma? É o invisível que não tocamos, mas que nos faz sentir a vida profundamente. Ana traz consigo o Corpo que encontrou no Japão e que é resultado de todos os Caminhos Pelos Quais trilhou.

    Corpo que desaparece e dá voz ao silêncio Trilha caminhos por dentro e ao redor Corpo que descobre a semente da flor acalanta a dor Corpo que desaparece na escuridão e renasce Corpo que descobre o primeiro dia dentro e fora de si.

     

    Ficha técnica: Concepção coreográfica: Yoshito Ohno e Ana Medeiros Assistente de coreografia: Mina Mizohata Bailarino convidado: Hiroshi Nishiyama Bailarina: Ana Medeiros Percussão: Duda Cunha Figurinos: Kazuo Ohno Dance Studio e Vanessa Berg  Produtora: Cristiane Löff

     

    Ocupação total: 89 lugares Meia-Entrada: 35 lugares Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013 Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

     

    Workshop de Princípios da dança ButohAtividade cancelada. Mais informações pelo e-mail: educativo@institutoling.org.br

    Data de Início: 11/08

    Duração: 60 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 30,00

  8. Espetáculo de Dança Butoh - Caminhos Pelos Quais

    Espetáculo de Dança Butoh - Caminhos Pelos Quais

    O espetáculo é fruto das descobertas e dos aprendizados da professora e bailarina Ana Medeiros com Yoshito Ohno no caminho do Butoh. E o que é o Butoh? É dançar a interioridade da alma. E o que é a alma? É o invisível que não tocamos, mas que nos faz sentir a vida profundamente. Ana traz consigo o Corpo que encontrou no Japão e que é resultado de todos os Caminhos Pelos Quais trilhou.

    Corpo que desaparece e dá voz ao silêncio Trilha caminhos por dentro e ao redor Corpo que descobre a semente da flor acalanta a dor Corpo que desaparece na escuridão e renasce Corpo que descobre o primeiro dia dentro e fora de si.

     

    Ficha técnica: Concepção coreográfica: Yoshito Ohno e Ana Medeiros Assistente de coreografia: Mina Mizohata Bailarino convidado: Hiroshi Nishiyama Bailarina: Ana Medeiros Percussão: Duda Cunha Figurinos: Kazuo Ohno Dance Studio e Vanessa Berg  Produtora: Cristiane Löff

     

    Ocupação total: 89 lugares Meia-Entrada: 35 lugares Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

     

    Workshop de Princípios da dança ButohAtividade cancelada. Mais informações pelo e-mail: educativo@institutoling.org.br

    Data de Início: 12/08

    Duração: 60 minutos

    Dias: Sexta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 30,00

  9. Sessão ACCIRS de Cinema: Epidemia de Cores

    Sessão ACCIRS de Cinema: Epidemia de Cores

    Uma reflexão sobre arte, saúde mental e direitos humanos. O documentário registra participantes e coordenadores da Oficina de Criatividade Nise da Silveira no Hospital Psiquiátrico São Pedro, antigo hospício da cidade de Porto Alegre.

    A sessão comentada tem a presença de:

    Tania Mara Galli Fonseca: Psicóloga, Professora Titular do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; atua ainda como docente-pesquisadora dos Programas de PósGraduação em Psicologia Social e Institucional e Informática Educativa/UFRGS2.

    Robledo Milani: Presidente da ACCIRS (Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul) e membro fundandor da ABRACCINE (Associação Brasileira de Críticos de Cinema). Jornalista e publicitário formado pela UFRGS, é também editor-chefe do site Papo de Cinema (www.papodecinema.com.br).

    Leonardo Garavelo: Doutor em Psicologia Social e Institucional pelo PPGPSI/UFRGS. Leciona no Centro Universitário Ritter dos Reis (UniRitter) atuando nos cursos de Graduação e de Pós-graduação. Especialista em Análise Institucional, desenvolve diversos trabalhos com comunidades, escolas da rede pública e a Atenção Básica em Saúde.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 29/09

    Duração: 70 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 20,00

  10. VII ENCONTRO DE FLAUTISTAS com ALEXANDRE J. EISENBERG, CHRISTOPHER LEE e ELENA CECCONI

    VII ENCONTRO DE FLAUTISTAS com ALEXANDRE J. EISENBERG, CHRISTOPHER LEE e ELENA CECCONI

    Dentro da programação do VII Encontro de Flautistas, realizado anualmente em Porto Alegre, o recital reúne alguns dos principais nomes da flauta no mundo. O brasileiro Alexandre J. Eisenberg, o canadense Christopher Lee e a italiana Elena Cecconi apresentam obras de diferentes períodos da música e se revezam na interpretação de autores como Giulio Briccialdi, Ludwig Van Beethoven, Marcelo Nadruz, Darwin Corrêa, Cesar Vivanco, Richard Strauss e Arthur Verocai. Participação dos pianistas Eduardo Knob, Catarina Domenici e Guilherme Goldberg.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 09/10

    Duração: 60 minutos

    Dias: Domingo

    Hórario: 11h

    Valor: R$ 40,00

  11. Lançamento do livro “Intimices”, de Gisela Sparremberger | 27.10.2016

    Lançamento do livro “Intimices”, de Gisela Sparremberger | 27.10.2016

    Sem estoque

    "Intimices” é o primeiro livro de crônicas da Jornalista e atriz gaúcha, Gisela Sparremberger. O tema principal são os relacionamentos neste início de século XXI, quando nossas ações e comportamentos surgem permeados pela cultura do imediatismo (internet) e do descartável (amores líquidos).

    De que forma isso influencia o modo como estabelecemos a intimidade em nossas relações? E mais: ainda queremos ser íntimos do outro? O título remete e brinca com essa e diversas questões inerentes ao pensamento do homem e da mulher que passam por significantes transformações sócio-culturais nos dias atuais. Enquanto isso, torna-se inevitável a busca pelo entendimento acerca dos novos sentimentos e emoções com os quais nos deparamos todos os dias.

    Afinal, ainda hoje, o amor resiste e existe? Como se mantém um casamento feliz? Resta tempo para ter filhos? A paixão olho no olho ainda move montanhas? A “solteirice convicta” veio pra ficar? Como dividir contas pra pagar, escovas de dente, e manter o romantismo? O poliamor vai virar moda? É possível evitar a rotina? Intimidade em excesso gera desencanto? Quanto tempo dura o tesão? O que aconteceu com o “felizes para sempre”? Por fim, será que sabemos pra aonde estamos indo quando saímos pelas ruas de mãos dadas com alguém? Essa pergunta é o start para a interminável busca que compõe as páginas deste livro.

    ENTRADA FRANCA!

    Data de Início: 27/10

    Duração: 120min

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 19h30

    Valor: R$ 0,00

  12. Sessão Lança Filmes e ACCIRS de Cinema - Xico Stockinger

    Sessão Lança Filmes e ACCIRS de Cinema - Xico Stockinger

    Um retrato íntimo, mostrando a metodologia do trabalho do artista Xico Stockinger, que se tornou um dos maiores escultores brasileiros, sua história de vida e obras, até seu falecimento em 2009.

    Imigrante austríaco pós I Guerra Mundial, naturalizado brasileiro e com um sonho frustrado de se tornar aviador, Xico criou um estilo próprio baseado na fusão de bronze, utilizando material reaproveitado, às vezes tendo que destruir suas obras para criar novas. Ele uniu técnica e força dentro de uma profusão de texturas e uma economia de cores, sem igual.

    O próprio Xico Stockinger (1919 – 2009) conduz o filme falando sobre sua obra, seu processo criativo, os lugares que fizeram parte de sua formação e seu ambiente de trabalho.

    Após a exibição do filme, ocorre um debate com profissionais da área.

    Debatedores:

    José Francisco Alves: Doutor em História da Arte, autor de curadorias e livros sobre a vida e obra de artistas como Amilcar de Castro e XicoStockinger. Curador-Chefe do MARGS, entre 2011 e 2013. Tem publicado artigos em jornais e revistas, no Brasil e exterior. Membro do ICOM, ABCA, e professor de Escultura no Atelier Livre Xico Stockinger desde 2000.

    Eloísa Tregnago: Graduada em Letras pela UCS e escultora. Estudou desenho com João Bez Batti entre 1981 a 1983. Mudou- se para Porto Alegre em 1985 e freqüentou as aulas de modelagem e escultura com Vasco Prado e Xico Stockinger.  Recebeu orientação em desenho de Plínio Bernhard e Patrício Farias e de Danúbio Gonçalves em gravura. Trabalha desde 1987 no Atelier Vila Nova, de Xico Stockinger, com pedra e bronze.

    Mediação: 

    Fatimarlei Lunardelli: 
    Jornalista, professora e crítica de cinema. Formada pela UFRGS, tem mestrado e doutorado em cinema pela USP. É autora dos livros Ô psit! O cinema popular dos Trapalhões (1996), Quando éramos jovens: história do Clube de Cinema de Porto Alegre (2000) e A Crítica de Cinema em Porto Alegre na década de 1960 (2008).

    Mônica Kanitz: Formada em jonalismo pela UFRGS atua como editora de cultura no jornal Metro Porto Alegre e como programadora da Cinemateca Paulo Amorim. Atualmente é vice-presidente da Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul (ACCIRS).

    Data de Início: 06/12

    Duração: 86 minutos

    Dias: Terça-feira

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 20,00

  13. Lançamento do livro “Casacadabra: arquitetura para crianças”, com oficina lúdica

    Lançamento do livro “Casacadabra: arquitetura para crianças”, com oficina lúdica

    Sem estoque

    Casacadabra, lançamento da Pistache Editorial, é um livro de arquitetura para crianças, e traz uma viagem de descobertas por pequenos segredos da arquitetura, apresentando dez casas pelo mundo. Além de leitura, é objeto de brincadeira e de aprendizagem, com propostas de interatividade e de atividades para serem realizadas em casa e na escola.

    Casacadabra foi realizado após um financiamento coletivo bem-sucedido em 2016 – a Smart, incorporadora porto-alegrense focada em arquitetura contemporânea e autoral, é patrocinadora do projeto e do lançamento do livro na capital gaúcha.

    O lançamento conta com um bate-papo com Simone Sayegh, coautora do livro Casacadabra, sobre a importância de falar sobre arquitetura para crianças. Após a conversa, acontece a sessão de autógrafos.

    OFICINA DE ARQUITETURA PARA CRIANÇAS

    A casa na cidade, com construção de maquetes.

    Como pensar a casa a partir do espaço em que ela será construída? Em uma oficina lúdica para explorar a cidade e as formas de habitá-la, vamos aguçar o olhar da criança em relação às edificações urbanas e a conexão entre elas. Durante a montagem das maquetes, discutiremos sombras, aberturas e o que deixa a casa em pé. Com o material reciclável, pensaremos também na reutilização e na transformação de seus usos. Através desse momento, vamos incentivar a criatividade das crianças na criação de edificações e explorar suas percepções.

    A oficina tem início às 18h30 e é voltada para crianças de 7 a 11 anos. Crianças de até 7 anos podem assistir acompanhadas dos pais. As vagas são limitadas*.

    *A inscrição deve ser feita através do e-mail educativo@institutoling.org.br.

    SOBRE AS AUTORAS:

    Bianca Antunes: Jornalista formada e mestre pela ECAUSP (2000 e 2008), pós-graduada na Escola da Cidade (2015), atua há 12 anos na difusão da arquitetura. Foi editora da revista AU – Arquitetura e Urbanismo (Editora PINI) de 2009 a 2016, e editora-assistente da mesma revista (2004 a 2009). Autora de livros de arquitetura pelas editoras C4 e BEI, organizadora do livro Entrevistas (Editora PINI). Aluna do programa Mundus Urbano (2016/2018).

    Simone Sayegh: Arquiteta formada pela FAUUSP (1995) e trabalha há 16 anos na difusão da arquitetura em revistas especializadas e sites para o público final, como revista AU – Arquitetura e Urbanismo (Editora PINI) e UOL. Seus textos constam em livros de arquitetura e livros técnicos.

    Carolina Hernandes: Responsável pelo projeto gráfico e pelas ilustrações do livro Casacadabra, Carolina é designer e ilustradora formada pelo Instituto Europeodi Design (2014), cursou arquitetura e urbanismo na FAU-USP e é pós-graduanda em planejamento e produção de mídia impressa pelo SENAI/SP (2016).

    Realização: Smart  e Instituto Ling | Apoio: Maena e Genuinaobra 

    Data de Início: 29/11

    Duração: 2h30min

    Dias: Terça-feira

    Hórario: 18h30

    Valor: R$ 0,00

  14. QUARTETO DE CORDAS LUIZ COSME

    QUARTETO DE CORDAS LUIZ COSME

    Os músicos gaúchos Brigitta Calloni (violino), Márcio Ceconello (violino), Cosmas Grieneisen (viola) e Alexandre Diel (violoncelo) se uniram com um propósito musical: realizar o resgate da obra de música de câmera de Luiz Cosme, genial compositor porto-alegrense falecido precocemente. Com vasta experiência profissional como solistas, cameristas e músicos de orquestra, os quatro instrumentistas têm experiência profissional no exterior e são membros das mais importantes orquestras nacionais como Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, Orquestra Sinfônica Brasileira e Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, tendo ocupado ou ocupando funções de musicista-solista. Além do resgate da obra camerística de Luiz Cosme, interessam-se pela música de câmera para quarteto de cordas, com especial ênfase nas relações estéticas entre o impressionismo francês (Debussy, Ravel) e modernismo musical brasileiro (Villa-Lobos).

    Ocupação total: 89 lugares Meia-Entrada: 35 lugares Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013 Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 18/12

    Duração: 60 minutos

    Dias: Domingo

    Hórario: 11h

    Valor: R$ 40,00

  15. Choking

    Choking

    Espetáculo de dança atravessado por interfaces digitais e criado a partir de questionamentos sobre as relações estabelecidas entre realidade e ficção na interação cotidiana com a internet. Choking apresenta um conjunto de peças coreográficas que dialogam sobre noções de violência, movimento, sincronismo e anacronismo, perpassando o referencial imagético e sensível criado pela Cia Muovere ao longo de seus 27 anos. Choking é resultado do Projeto WebCoreografia, financiado pelo Prêmio Klauss Vianna de Dança 2014 (FUNARTE/MINC).

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    A meia-entrada é válida para estudantes, idosos e classe artística, mediante apresentação dos respectivos documentos comprobatórios.

    Data de Início: 09/12

    Duração: 40 minutos

    Dias: Sexta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  16. Choking

    Choking

    Espetáculo de dança atravessado por interfaces digitais e criado a partir de questionamentos sobre as relações estabelecidas entre realidade e ficção na interação cotidiana com a internet. Choking apresenta um conjunto de peças coreográficas que dialogam sobre noções de violência, movimento, sincronismo e anacronismo, perpassando o referencial imagético e sensível criado pela Cia Muovere ao longo de seus 27 anos. Choking é resultado do Projeto WebCoreografia, financiado pelo Prêmio Klauss Vianna de Dança 2014 (FUNARTE/MINC).

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    A meia-entrada é válida para estudantes, idosos e classe artística, mediante apresentação dos respectivos documentos comprobatórios.

    Data de Início: 09/12

    Duração: 40 minutos

    Dias: Sexta-feira

    Hórario: 21h

    Valor: R$ 40,00

  17. Choking

    Choking

    Espetáculo de dança atravessado por interfaces digitais e criado a partir de questionamentos sobre as relações estabelecidas entre realidade e ficção na interação cotidiana com a internet. Choking apresenta um conjunto de peças coreográficas que dialogam sobre noções de violência, movimento, sincronismo e anacronismo, perpassando o referencial imagético e sensível criado pela Cia Muovere ao longo de seus 27 anos. Choking é resultado do Projeto WebCoreografia, financiado pelo Prêmio Klauss Vianna de Dança 2014 (FUNARTE/MINC).

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    A meia-entrada é válida para estudantes, idosos e classe artística, mediante apresentação dos respectivos documentos comprobatórios

    Data de Início: 10/12

    Duração: 40 minutos

    Dias: Sábado

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  18. Porto Verão Alegre - Cuco

    Porto Verão Alegre - Cuco

    Sem estoque

    Motivado por aquela que parece ser uma das primeiras experiências lúdicas e estéticas dos bebês - o jogo entre "o esconder e o revelar", o espetáculo propõe um universo em que a surpresa do começo, da chegada, da primeira vez, cria, por meio da manipulação de objetos, uma atmosfera espetacular na qual as fronteiras do tempo, das formas e dos sentidos se intercambiam entre o real e o imaginável. A peça foi a grande vencedora do Prêmio Tibicuera de 2015: melhor espetáculo infantil, melhor direção, melhor cenografia e melhor produção.

    *O valor do ingresso é único, tanto para crianças quanto para adultos.

    Ingressos a venda a partir de 03 de janeiro de 2017. Na bilheteria do Instituto Ling, a forma de pagamento aceita será exclusivamente dinheiro. No Instituto Ling serão vendidos os ingressos apenas da programação no centro cultural. É possível adquirir ingressos online pelo site MyTicket.

    Data de Início: 11/01

    Duração: 45 minutos

    Dias: Quarta-feira

    Hórario: 17h

    Valor: R$ 20,00

  19. Porto Verão Alegre - Cuco

    Porto Verão Alegre - Cuco

    Sem estoque

    Motivado por aquela que parece ser uma das primeiras experiências lúdicas e estéticas dos bebês - o jogo entre "o esconder e o revelar", o espetáculo propõe um universo em que a surpresa do começo, da chegada, da primeira vez, cria, por meio da manipulação de objetos, uma atmosfera espetacular na qual as fronteiras do tempo, das formas e dos sentidos se intercambiam entre o real e o imaginável. A peça foi a grande vencedora do Prêmio Tibicuera de 2015: melhor espetáculo infantil, melhor direção, melhor cenografia e melhor produção.

    *O valor do ingresso é único, tanto para crianças quanto para adultos.

    Ingressos a venda a partir de 03 de janeiro de 2017. Na bilheteria do Instituto Ling, a forma de pagamento aceita será exclusivamente dinheiro. No Instituto Ling serão vendidos os ingressos apenas da programação no centro cultural. É possível adquirir ingressos online pelo site MyTicket.

    Data de Início: 11/01

    Duração: 45 minutos

    Dias: Quarta-feira

    Hórario: 19h

    Valor: R$ 20,00

  20. Porto Verão Alegre - Cuco

    Porto Verão Alegre - Cuco

    Sem estoque

    Motivado por aquela que parece ser uma das primeiras experiências lúdicas e estéticas dos bebês - o jogo entre "o esconder e o revelar", o espetáculo propõe um universo em que a surpresa do começo, da chegada, da primeira vez, cria, por meio da manipulação de objetos, uma atmosfera espetacular na qual as fronteiras do tempo, das formas e dos sentidos se intercambiam entre o real e o imaginável. A peça foi a grande vencedora do Prêmio Tibicuera de 2015: melhor espetáculo infantil, melhor direção, melhor cenografia e melhor produção.

    *O valor do ingresso é único, tanto para crianças quanto para adultos.

    Ingressos a venda a partir de 03 de janeiro de 2017. Na bilheteria do Instituto Ling, a forma de pagamento aceita será exclusivamente dinheiro. No Instituto Ling serão vendidos os ingressos apenas da programação no centro cultural. É possível adquirir ingressos online pelo site MyTicket.

    Data de Início: 12/01

    Duração: 45 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 17h

    Valor: R$ 20,00

  21. TATADIOS

    TATADIOS

    Sem estoque

    Grupo argentino formado em Buenos Aires, em 2007, com um repertório instrumental formado integralmente por composições próprias, com um enfoque livre, pessoal e atual sobre a música popular argentina. O grupo realizou giras pelo interior da Argentina, Uruguai, Brasil, França e Holanda, tendo participado de festivais tais como na sétima edição do Encuentro Internacional de Músicos Jazz a la Calle, em Mercedes – Uruguai, no Festival Internacional Jazz de Buenos Aires e no Festival Mundial de Tango, também em Buenos Aires.

    Com dois discos lançados, o quarteto está preparando material para seu terceiro disco, em meio a inúmeros shows pela Argentina. É formado por Martín Sued (bandoneon, composição e direção), Alan Plachta (guitarra), Juan Bayon (contrabaixo) e Nicolás Gaggero (bateria e percussão), todos músicos com larga experiência na música argentina, que já trabalharam com alguns dos principais nomes de seu país e participado de trilhas para teatro e cinema.

    Ocupação total: 89 lugares

    Meia-Entrada: 35 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 16/03

    Duração: 60 minutos

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h

    Valor: R$ 40,00

  22. Valsa #6 + Bate-papo com o diretor

    Valsa #6 + Bate-papo com o diretor

    Sem estoque

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Neste dia, após o espetáculo, acontece um bate-papo com o diretor Caco Coelho.

    AVISOS:

    O espectador vestirá um macacão branco (disponibilizado no local) sobre sua roupa, e uma sapatilha protetora sobre seu calçado durante todo o espetáculo. Sugerimos vestir roupa e calçado confortáveis.

    O espectador poderá ser tocado pela atriz em diversos momentos ao longo do espetáculo.

    Não haverá cadeiras. O espectador poderá ficar em pé ou sentado no chão. Para isso, o piso é almofadado.

    Não será permitido o uso de celular. Os aparelhos deverão permanecer desligados durante todo o espetáculo.

    Este espetáculo possui cenas com estroboscópio. Não recomendado para pessoas que possuem sensibilidade a luzes intermitentes, epilepsia fotossensível e problemas cardiovasculares.

     

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 12/04

    Duração: 1h30

    Dias: Quarta-feira

    Hórario: 20h30

    Valor: R$ 40,00

  23. Valsa #6

    Valsa #6

    Sem estoque

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    AVISOS:

    O espectador vestirá um macacão branco (disponibilizado no local) sobre sua roupa, e uma sapatilha protetora sobre seu calçado durante todo o espetáculo. Sugerimos vestir roupa e calçado confortáveis.

    O espectador poderá ser tocado pela atriz em diversos momentos ao longo do espetáculo.

    Não haverá cadeiras. O espectador poderá ficar em pé ou sentado no chão. Para isso, o piso é almofadado.

    Não será permitido o uso de celular. Os aparelhos deverão permanecer desligados durante todo o espetáculo.

    Este espetáculo possui cenas com estroboscópio. Não recomendado para pessoas que possuem sensibilidade a luzes intermitentes, epilepsia fotossensível e problemas cardiovasculares.

     

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 18/04

    Duração: 1h30

    Dias: Terça-feira

    Hórario: 20h30

    Valor: R$ 40,00

  24. Valsa #6 + Bate-papo com o diretor

    Valsa #6 + Bate-papo com o diretor

    Sem estoque

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    Neste dia, após o espetáculo, acontece um bate-papo com o diretor Caco Coelho.

    AVISOS:

    O espectador vestirá um macacão branco (disponibilizado no local) sobre sua roupa, e uma sapatilha protetora sobre seu calçado durante todo o espetáculo. Sugerimos vestir roupa e calçado confortáveis.

    O espectador poderá ser tocado pela atriz em diversos momentos ao longo do espetáculo.

    Não haverá cadeiras. O espectador poderá ficar em pé ou sentado no chão. Para isso, o piso é almofadado.

    Não será permitido o uso de celular. Os aparelhos deverão permanecer desligados durante todo o espetáculo.

    Este espetáculo possui cenas com estroboscópio. Não recomendado para pessoas que possuem sensibilidade a luzes intermitentes, epilepsia fotossensível e problemas cardiovasculares.

     

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 19/04

    Duração: 1h30

    Dias: Quarta-feira

    Hórario: 20h30

    Valor: R$ 40,00

  25. Valsa #6 - 26/09

    Valsa #6 - 26/09

    Valsa #6 é menos parecido com um monólogo do que uma máquina de escrever com uma de costura. Uma atriz individuada, múltipla, que cabe nela a cidade inteira. Ela é todo o décor. Ela está morta. Portanto, livre do atribulado cotidiano, da tortura da vida. Ela trafega na serenidade da morte. O seu tormento é a presença ainda da vida, em sopros. Obra máxima do maior poeta dramático brasileiro, Nelson Rodrigues, se considerados os aspectos da complexidade dramatúrgica do mergulho na alma do ser humano e na expressão polifônica de tantas vozes que somos e desconhecemos. Trata-se de uma experiência sensorial onde o público é parte integrante do espetáculo. O espectador poderá ser tocado, manipulado, terá que vestir um macacão branco, ficando coberto da cabeça aos pés - a necessária assepsia da morte. Uma jovem pianista viveu um sonho trágico. Eis a história que você vai vivenciar.

    AVISOS:

    O espectador vestirá um macacão branco (disponibilizado no local) sobre sua roupa, e uma sapatilha protetora sobre seu calçado durante todo o espetáculo. Sugerimos vestir roupa e calçado confortáveis.

    O espectador poderá ser tocado pela atriz em diversos momentos ao longo do espetáculo.

    Não haverá cadeiras. O espectador poderá ficar em pé ou sentado no chão. Para isso, o piso é almofadado.

    Não será permitido o uso de celular. Os aparelhos deverão permanecer desligados durante todo o espetáculo.

    Este espetáculo possui cenas com estroboscópio. Não recomendado para pessoas que possuem sensibilidade a luzes intermitentes, epilepsia fotossensível e problemas cardiovasculares.

     

    Ocupação total: 50 lugares

    Meia-Entrada: 20 lugares

    Lei Federal nº 12.933, de 26/12/2013

    Decreto Federal nº 8.537, de 05/10/2015

    Data de Início: 20/04

    Duração: 1h30

    Dias: Quinta-feira

    Hórario: 20h30

    Valor: R$ 40,00