CANTO???V

Mais Imagens

Details:

Considerado um dos mais importantes artistas brasileiros da atualidade, Nelson Felix tem uma obra de caráter fortemente conceitual e formal.  A exposição CANTO???V – que estará em cartaz no Instituto Ling de 19 de novembro a dia 25 de janeiro de 2015 – é um diálogo entre um projeto do artista realizado anteriormente em dois lugares distintos – 4 Cantos (Portugal, 2008) e Verso (São Paulo, 2013) – e que se complementam. O trabalho aborda, primeiramente, um pensamento poético sobre o espaço, na sua estrutura mais simples – os cantos, o centro e o verso – e o que seriam estes locais, hoje, na percepção multifacetada do espaço. Depois, na relação ambígua que existe na língua portuguesa nas palavras canto e verso, ora com sentido espacial, ora com sentido poético.


A mostra – produzida especialmente para ser apresentada no Instituto Ling – marca a abertura da galeria de artes do novo Centro Cultural da capital gaúcha e tem a curadoria de Gabriela Motta.


Pensando nas características do espaço em que a exposição é montada, os elementos que compõem CANTO???V são imagens do artista realizando Verso, mapas em ouro dos territórios atravessados por Felix neste projeto, duas flautas em mármore vazadas pelas palavras canto e verso e ponteiras de bronze. Essas ponteiras atravessam a arquitetura do espaço da galeria e sustentam três anéis de mármore.


A exposição tem patrocínio da Fitesa e financiamento do Governo RS / Sistema Pró-Cultura / Lei de Incentivo à Cultura.

Data: 19/11/2014 a 25/01/2015

Local: Galeria Instituto Ling

Horário: Terça a sexta, 11h às 22h; Sábados, 11h às 22h; Domingos, 11h às 20h;

CANTO???V

Nelson Felix

A exposição CANTO???V é um encontro (desdobramento?) da obra de Nelson Felix realizada em dois atos: 4 Cantos (Portugal, 2008) e Verso (São Paulo, 2013). Em 4 Cantos o artista viajou por Portugal, aos quatro extremos do país, com quatro blocos cúbicos de pedra. Em cada canto, Nelson colocava as pedras no solo e as desenhava, até impregnar-se da paisagem. No último extremo, este em espaço interno, direcionou os blocos contra os cantos das paredes e os fixou com oito ponteiras de bronze, onde estavam inscritos os oito versos do poema Casa Térrea, de Sophia de Mello Breyner. 
Verso nasce da observação que a cidade de São Paulo encontra-se equidistante e sobre uma linha imaginária que liga duas pequenas ilhas, uma no Oceano Pacífico e outra no Atlântico. O artista viajou às duas ilhas, os dois versos criados pela estrutura poética do trabalho no globo terrestre. Nelas, olhou na direção de São Paulo e fincou no solo três peças de bronze, que constituem as três partes da letra A. Uma homenagem ao poeta catalão Joan Brossa, através de um dos seus poemas intitulado Desmuntatge.
Em Porto Alegre, CANTO???V apresenta-se como possibilidade de instauração daquilo que a poesia nos dá, ou seja, a própria experiência sensível. Simultaneamente ponto de chegada e ponto de partida, esta exposição abre-se tanto para a busca de suas referências conceituais quanto para a construção de um léxico próprio, dado por sua presença poética no mundo.
Os elementos que compõem CANTO???V são imagens do artista com o poema Desmuntage, mapas em ouro dos territórios atravessados por Felix nesta obra, duas flautas em mármore vazadas pelas palavras canto e verso e ponteiras de bronze. Nestas ponteiras inscreve-se um terceiro poema, também de Brossa, intitulado El Temps.
O aparecimento do poema El Temps surge como mais um grão de areia a contaminar uma possível nitidez do trabalho e a agregar outra gama de sentidos ao pensamento sobre espaço até então instaurado por 4 Cantos e Verso. Com este novo elemento, deparamo-nos também com uma das características marcantes de Nelson Felix: a incansável tarefa de abrir frestas em sua obra pelas quais escorram qualquer ilusão de compreensão.
Gabriela Motta (Curadora)
 

Nelson Felix

 
Crédito da foto: Maycon
 

Escultor, desenhista e professor, Nelson Felix iniciou seus estudos de pintura com Ivan Serpa, em 1971, e formou-se em arquitetura, em 1977. Dedicou-se inicialmente ao desenho e, posteriormente, à escultura. Em 1989, recebeu bolsa do Ministério da Cultura da França, por exposição ocorrida na Galeria Charles Sablon, em Paris. Recebeu, em 1991, a bolsa Vitae de Artes Plásticas. A partir da década de 1990, realiza esculturas de mármore com base em órgãos ou aspectos do corpo humano. Em 1994, foi artista residente na Curtin University (Perth, Austrália) e no Karratha College (Karratha, Austrália). No mesmo período, idealizou as Mesas, esculturas em granito nas quais faz referências às interações entre a natureza e os objetos culturais. Ao retornar ao Brasil, realizou, em 1995, com Luiz Felipe Sá, o vídeo O Oco, sobre sua produção artística. Sua obra é analisada nas publicações Nelson Felix, com texto de Rodrigo Naves (Cosac & Naify, 1998); Nelson Felix, com textos de Glória Ferreira, Nelson Brissac e Sônia Salzstein (Casa da Palavra, 2001); Trilogias: Conversas entre Nelson Felix e Glória Ferreira (Pinakotheke, 2005); e Concerto para Encanto e Anel, com textos de Ronaldo Brito e Marisa Flórido Cesar (Editora Casa 11, 2011).

http://www.nelsonfelix.com.br/

Sobre as obras 4 Cantos e Verso: http://www.nelsonfelix.com.br/portu/menu_serie.asp?cod_Artista=98

 

Obras